A volta de Dunga

dunga

Neste momento, Dunga acaba de conceder sua primeira entrevista como novo treinador da Seleção Brasileira.  Está de volta ao cargo que deixou em 2010, depois da derrota para a Holanda. Tudo isso faz pensar.

Se o objetivo era fazer justiça a um treinador que teve uma boa performance e caiu pelo simples fato de que, desde Zagallo 1970, nenhum treinador brasileiro terminou uma Copa no comando da Seleção e continuou no cargo até o início da próxima, faz sentido.

Por sua vez, o novo comandante traz um histórico de turra que faz pensar no fracasso brasileiro na África do Sul. Sua imagem de desolação após o gol holandês de Sneidjer retratou bem aquele momento – não havia um jogador no banco que pudesse mudar a partida. E passou da conta com a agressividade em relação à imprensa, embora boa parte dela não seja flor que se cheire e, há muito, mereça umas boas palmadas morais.  Resumo da ópera: por mais que tenha se esmerado no papel de ogro em 2010, Dunga pagou o preço de desafiar a Rede Globo fechando treinos e acessos – seu antecessor liberou as transmissões e, por isso, seu trabalho foi chamado de bagunçado.

Que Dunga pode vir a fazer um novo bom trabalho, não tenho dúvidas.

Mas sinto curiosidade na reação dos jornalistas.

Afinal, os mesmos que chamavam Scolari de ultrapassado e receptor do prêmio que era treinar a Seleção, depois de várias jornadas sem sucesso, terão que atacar Dunga pelo mesmo motivo: praticamente não atuou na função desde o 2 x 1 da Holanda, teve uma breve passagem malsucedida pelo Inter. Isso se quiserem mostrar alguma coerência, fato raro em se tratando de imprensa esportiva do Brasil.

Ainda paira no ar o desconforto pela posição de Gilmar Rinaldi como coordenador.

Por outro lado, e se Dunga tivesse tido a chance de se reabilitar mantido no cargo em 2010? Será que teríamos um novo Joachim Low? Ressalte-se que o gaúcho conquistou títulos, enquanto o alemão precisou de oito anos de espera até levantar a sonhada Taça FIFA.

Uma nova história começa. Difícil saber se ela vai até as Olimpíadas, antes ou mesmo até o topo do mundo em 2018. Não deixa de ser engraçado imaginar que a volta de Dunga, até mesmo desafiadora pela própria natureza, seja fruto do conservadorismo que cerca nomes como os de Marín e Del Nero.

Em tempo: Dunga foi um jogadoraço, teve muitos acertos e erros como treinador da Seleção, mais de uma vez na vida foi crucificado pelos meios de comunicação. Agora, inegavelmente mostra que é um homem de muita sorte: do perseguido de 1990 ao grande capitão campeão de 1994, tem novamente uma chance de reescrever sua história. Caso consiga dar a volta por cima outra vez, merece livros a seu respeito.

@pauloandel