Vergonha e união – a resposta do Horacio Junior

Ontem no programa Somos Vasco da Cruzada eu falei uma coisa que tem a ver com o seu texto. A pouca credibilidade dos políticos do Vasco respinga no que se propõe a ser novo para o Vasco. E eu entendo perfeitamente essa desconfiança. O que garante que a Cruzada, Julio Brant, ou qualquer outro candidato não seja mais um engodo como os outros que se propõem ao pleito? É uma dúvida Legítima.

Meu ponto no programa foi esse. Se você quer saber do Julio (serve para qualquer um, mas é nesse que eu estou apostando) mete as caras, corre atrás. Eu estarei nas sociais disponível para um papo reto, olho no olho… Não precisa acreditar em mim ou ir diretamente a mim, eu quero que qualquer um chegue as suas próprias conclusões do que é melhor para o Vasco.

Como depoimento pessoal, foi com esse espírito que eu entrei na Cruzada, desconfiando, observando, vendo se realmente a postura e o alinhamento ideológico eram compatíveis com o meu. Graças a Deus até hoje não me decepcionei. Mas como disse, minha opinião vale pouco, o importante é participar, mesmo com o pé atrás, mesmo desconfiando. A Confiança não nasce do dia para a noite. Mas a participação do Vascaíno é MANDATÓRIA. Vejo o momento com tanta gravidade que só a mobilização em massa dos Vascaínos derrota os mensaleiros.

Honestamente também acho que é a única forma de avaliar se o tal espírito torcedor citado por você, que deveria “invadir“ os candidatos é através de um contato mais próximo.

Outro ponto muito bem citado por você foi a questão da união dos candidatos, como aconteceu com Calçada e Eurico nos anos 80. Sobre isso é importante ressaltar que o que eu vou dizer é uma opinião pessoal, não é uma opinião da Cruzada, grupo que eu defendo e do qual faço parte, muito menos da chapa. Aliás nunca conversei isso com o grupo.

A chance de eu apoiar mensaleiros como presidente do Vasco é ZERO. Encaro todo esse projeto pessoal de ajudar o Vasco com muita responsabilidade. Não sou ninguém importante na chapa, mas ficaria envergonhadíssimo de apoiar uma administração com diversas denúncias de corrupção como foram a do Roberto e Eurico. Denúncias porque nada no Vasco é apurado e sempre se varre a sujeira para debaixo do tapete.

Pode parecer balela, que estou jogando confete em mim, mas é legal pra cacete saber que você conseguiu votos pro seu candidato através de amigos flamenguistas e de outros times que conhecem sócios Vascaínos. Somente pela confiança depositada dos meus amigos em mim. Isso é caro demais e uma baita responsabilidade. Não vou associar meu nome, mesmo de pouca valia política, a candidatos que não me inspiram confiança alguma.

Infelizmente a política Vascaína é de nível baixíssimo. Como se unir a um grupo que chama Vascaínos de bovinos? Ou um grupo que busca fazer um dossiê do Julio levantando casos polêmicos da Andrade Gutierrez da época em que o Julio teria 9 anos? Sério. Eu não preciso fazer dossiê dos outros. Quem teria o telhado de vidro maior para as pedradas?

Depois das eleições, será um desafio ter estes senhores como oposição. É verdade que não se governa sozinho. Falo isso sem nenhum ranço. As conversas terão que existir em prol do Vasco, mas honestamente e reforçando que isso é uma opinião pessoal e não do grupo que eu represento, é preciso tomar cuidado. O grau de impureza pode ser letal e matar um projeto que eu sei que é viável e que todos nós queremos.

Podem apostar que não será uma oposição como a Cruzada fez ao Dinamite. Uma oposição que batia no que estava ERRADO, como as pobres demonstrações financeiras, identificação de irregularidades com a Penalty, contratos de Nepotismo, omissão e descaso com o clube como no episódio do Maracanã e o Rugby olímpico, não apresentação de um plano emergencial prometido pelo Koehler. Também não espero deles como oposição projetos como a Cruzada ofereceu ao Clube como o Vasco Qatar e reforma do Entorno de São Januário. Só o amistoso com o Ajax foi aproveitado pelo clube.

Dificilmente acho que a experiência dos anos 80 pode ser aplicada no contexto atual. É como diz o ditado. “De onde não se espera porra nenhuma é que não sai nada mesmo”.

Posted By administrador

2 Comments

Léuh Migliorini

Concordo plenamente com td que o Senhor dissr.
Não tem como unir opositores para o prol do Vasco se esses opositores não estão nem ae para o pro do Vasco !!!

Madruga

Apreciei o texto, mas faco um alerta: Muito cuidado com as generalizações. Seu discurso cita alguns termos cunhados pela imprensa e que não foram comprovados. Avalie bem cada candidato, despido do que a imprensa anda vendendo por aí, e você irá verificar que nenhum candidato é perfeito, isento e ilibado. VocÊ cita uma ditadura anterior calcado em fatos que continuaram acontecendo na gestão atual, mas que foram maquiados pela imprensa. O que está sendo feito atualmente ao processo eleitoral é um atentado ao Vasco, e a imprensa não está noticiando como tal. Muito pelo contrário. É preciso discernimento e menos emoção. E não escolha seu candidato por eliminação, mas por convicção e possibilidade de posterior apoio e fiscalização. O Vasco dificilmente resistirá a mais um desgoverno como as ultimas administracoes do Roberto. Trace um perfil das qualidades que voce desejaria ver em um futuro presidente do Vasco. Levante palavras como ´comando´, ´pulso´ e, acima de tudo, muita vascainidade. É preciso gestão, mas também é necesário termos um defensor realmente vascaíno. Coloque numa tabela, com as carinhas de cada candidato. Veja quem preencherá os requisitos, ou a maioria deles. E conte para a a gente! 🙂
SV

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *