Vamos com calma…

Faz tempo – precisamente 6 anos, que eu não vejo nossa torcida ter essa reação exagerada por conta de uma derrota mais que normal. Há quase uma semana perdemos um jogo treino para o Volta Redonda e eu não vi nem um terço da reação que presenciei diante da derrota de ontem para o Flamengo.

E por que eu disse “precisamente 6 anos”? Ora… Há seis anos atrás, Eurico Miranda saia do Vasco. Com o seu retorno, voltam além das baforadas de charuto e das bravatas, o jeito “anos 80” de administrar o clube e a velha e surrada tática de exacerbar a rivalidade com o rubro-negro.

Esse patrocínio, essa maneira de ver as coisas – quando afirma ser qualquer jogo contra o Flamengo um campeonato à parte – contamina boa parte da torcida, o que culmina na verdadeira histeria que vi nas redes sociais e até presencialmente com outros irmãos vascaínos.

Vamos com calma… Tratou-se de um “quase” amistoso, um primeiro jogo da temporada, a estreia e a “re-estreia” coletiva de uns 8 ou 9 jogadores, voltando de um pré-temporada de apenas duas semanas.

O problema é que foi contra o arqui-rival… Aquele indicado pela propaganda enganosa do Eurico como o inimigo a ser vencido sempre. Fosse esse jogo contra o São Paulo, por exemplo, não chegaríamos nem à metade da chiadeira que vemos no momento na nossa torcida.

Ouvi e li de tudo. Desde que esse time não presta à constatação da quase certeza de que vamos cair novamente para a série B…

Peço então aos meus leitores um exercício de imaginação. Finjam que o jogo foi contra… sei lá… o Grêmio! Já dá para sentir uma diferença, né…? Agora levem em consideração o seguinte: o melhor jogador do outro lado foi o goleiro, e quem sabe um pouquinho de futebol, sabe que quando o goleiro foi o melhor em campo, o seu time foi muito ameaçado, né? Observem o lance bisonho que resultou no gol adversário. Ok, ok. Não dá para admitir uma falha dessas de um volante na entrada da área com o seu time saindo da defesa, ainda mais se o jogo for contra… OPA! O jogo foi contra o Grêmio e não valia nada, lembram…? A falha não aconteceu numa final ou num jogo de mata-mata. Muita calma nessa hora… Admitam também que o adversário mudou muito pouco em relação ao ano passado, ao contrario de nós, que praticamente estreamos um time novo. Mais uma vez, quem entende um pouquinho de futebol, sabe que entrosamento conta e muito!

Por fim, se esqueçam das bravatas e das baforadas de nosso atual mandatário. Eu sei que a posição quase sempre belicosa, supostamente em defesa dos interesses do Vasco, massageia o nosso ego depois dos obscuros anos de sorrisos de banana… Mas eu peço: pensem com um pouquinho mais de frieza e afastem de sua mente o discurso vazio do Eurico.

Tenho certeza de que se vocês acompanharam o meu raciocínio descrito nos dois parágrafos anteriores, vocês chegarão às mesmas conclusões que eu cheguei.

Não: não podemos ainda afirmar que esse é o pior time da história do Vasco! Não: ainda não podemos dizer que nenhum dos contratados servem. Não: não dá para concluir que o Bernardo, que o Nei, e até que o Sandro Silva não deveriam ter voltado. O caso do Nei então foi até engraçado… Eu juro que só percebi que ele entrou em campo depois que li críticas severas (?) à sua atuação… Ele mal tocou na bola!!!

Devagar com andor. Perdemos o primeiro jogo do ano, praticamente ainda em preparação para o resto do ano, recém chegados de uma pré-temporada onde se privilegia a parte física, com um time novo, contra um time entrosado, onde o goleiro adversário foi o destaque, com um gol que “demos” para eles. Arrisco dizer que, não fosse a pixotada do Sandro Silva, o jogo fatalmente seria definido nos pênaltis.

O único “detalhe” é que o adversário foi o Flamengo. Instigados pelo nosso presidente, acabamos dando mais importância que devíamos a esse fato. Que possamos separar o que é bravata do que é realmente bom para o nosso clube.

—–

Em relação aos nossos novos jogadores, sinceramente acho que não dá para falar nada. Uma coisinha ou outra do Lucas e do Marcinho… Não gostei muito dos laterais… Mas um jogo só não diz nada. Prefiro esperar mais uns 2 ou 3 jogos para então ter algo mais concreto.

O mesmo vale para os “reciclados”. Bernardo, como de costume, se achando um craque que ele não é… Rodrigo dando uma ou outra pixotada compensada com alguma experiência… Luan se achando o novo Mauro Galvão… E o nosso goleiro com a segurança de sempre.

De ruim mesmo, só a contusão do Guiñazu. Aliás, quem teve a “brilhante” ideia de colocar o gringo em campo, num jogo de muito pouca relevância, depois de um puta viagem desgastante onde o cara foi enterrar o pai?!? Agora teremos de esperar quase dois meses para vê-lo novamente em campo em jogos que realmente valem alguma coisa.

—–

Amigos leitores. Estarei em viagem de férias a partir do próximo fim de semana e peço licença desse espaço vascaíno por duas semanas. Nos vemos no dia 12 de fevereiro. Até lá!