Uma vitória salvadora e estimulante

Em um jogo bom e intenso durante todos os 90 minutos, o Vasco conseguiu uma vitória importante e salvadora de 2 a 1, ante a boa equipe do Bahia. O Bahia decidiu mandar meio time titular, até se imaginou que eles usariam o time completamente reserva; mas não foi isso. Só que não temos nada com isso, eles decidiram correr o risco e ganhamos. Mesmo assim, foi uma vitória cara, suada. Aliás, jogos contra Bahia e Vitória costumam ser difíceis para nós. Ainda mais, o goleiro deles, Jean, fez inúmeras defesas, evitando um placar mais elástico.

O jogo começou com o Vasco em cima do adversário. Com o objetivo de tornar o time mais rápido e compacto, MM decidiu pela barração de Nenê, diga se de passagem uma atitude corajosa. E realmente, o time se apresentou de maneira mais leve, com os pontas Pikachu e Kelvin insinuantes, Douglas se movimentando bem pelo meio. Ou seja, a movimentação ofensiva evoluiu bastante e, com isso as chances surgiram, até porque a equipe baiana optou por jogar mais recuada nos contra-ataques, nos nossos erros. E nos primeiros 30 minutos, passamos poucos sustos e criamos 3 boas chances, 2 com Luis Fabiano que redundaram em grandes defesas de Jean e uma arrancada de Gilberto que resultou em um chute que bateu no zagueiro Éder e bateu na rede pelo lado de fora. Por outro lado, o nosso sistema defensivo segue a apresentar algumas dificuldades, onde vimos primeiro Jean matar a bola no peito e….na canela e perder a bola para o atacante Gustavo e ser obrigado a segurar o atacante adversário e fazer a falta. Como era o último homem, deveria ser expulso, mas o juiz refrescou e deu apenas o cartão amarelo. E em outro lance, Rafael Marques, que sairia no segundo tempo contundido, deu uma bola no fogo para Giberto e quase gerou um contra-ataque perigoso para o Bahia. Tal lance redundou em escanteio perigoso para nossa defesa que felizmente não resultou em maiores estragos.

No segundo tempo, o Bahia volta melhor e imprensa nossa equipe. Com Allione no lugar de Mateus Salles, o Bahia melhora sua ofensividade e em uma triangulação pela esquerda de ataque, Armero solta a bomba do meio da rua para uma grande defesa de Martin Silva. Mas quando o Bahia decide se abrir, Martin Silva dá um chutão, Luis Fabiano faz um pivô e dá um belo drible de corpo no defensor adversário e toca em profundidade para Pikachu que só tem o trabalho de tocar entre as pernas de Jean: Vasco 1 a 0. O jogo fica mais franco com ataques de ambos os lados. Aos 29 minutos, em mais um contra-ataque fulminante, jogada de Gilberto pela ponta direita. Ele cruza para Kelvin, que meio que chuta, meio que cruza, Jean defende parcialmente e Luis Fabiano completa para o seu gol de número 400 e o segundo de nossa equipe: Vasco 2 a 0. Com o segundo gol, o Vasco se tranquiliza um pouco mais, passa a tocar mais a bola. Com a entrada de Wagner no lugar de Pikachu, este toca displicentemente a bola para Douglas, o volante liga o contra-ataque e em três toques, a bola chega em Gustavo para este tocar para o fundo da rede sem maiores dificuldades. Vasco 2 a 1. Com isso, o Bahia faz ainda a tentativa do empate. Mas Armero põe tudo a perder em uma troca de empurrões com Gilberto e acaba expulso. Ainda tivemos, para completar uma última jogada, um cruzamento da esquerda de Mateus Vital e Kelvin mata no peito e perde o tempo de bola, chutando em cima de Jean. Aliás, Jean foi o grande destaque da equipe baiana, com várias defesas. Não seria nenhum absurdo se o Vasco ganhasse de 3, 4 a 1, tamanhas as chances criadas. Mesmo assim, não há que contestar nossa evolução ofensiva, criamos bastante.

Com a boa vitória e atuação de hoje, chegamos momentaneamente ao décimo primeiro lugar. Ao menos, algo para nos confortar e pensarmos em algo melhor daqui para a frente. Ainda é começo de competição. Mas a meta, se possível é, em casa, dos 22 jogos que teremos no Rio, ganhar uns 14 jogos e ganharmos uns 2 jogos fora e empatar um. Essa é nossa meta maior. Ganharmos o máximo possível em casa e obtermos algo fora para nos segurarmos a Série A. Quem sabe se esse será um primeiro e bom passo.

—–

A nota triste fica por conta da insistência de adeptos da atual diretoria em acusarem os que não comungam de suas opiniões de torcerem contra o Vasco, nas redes sociais. Foi visto isso na netvasco.com, após o jogo. Aí está a razão de o Vasco hoje ser um clube desunido em sua torcida. Enquanto houver gente desse tipo dentro do nosso amado Vasco da Gama, não teremos união. Como hoje, não temos alguém de um perfil de um Calçada para unir as correntes políticas, talvez o melhor fosse simplesmente a eliminação dessa gente do Vasco. A coluna aqui preza a democracia, mas se certos grupos querem a cisão do clube, por manutenção do poder, o ideal é que simplesmente se expurgue as ervas daninhas dentro de nosso clube. Recado dado. Essas briguinhas enchem a paciência de qualquer cristão.