Uma vitória boa e improvável

Em outros tempos, seria uma vitória normal contra o Santos. Mas com o time limitado que o Vasco tem hoje, é para comemorar e sentir um alívio. Foi uma vitória importante, o cruzmaltino chegou aos 28 pontos e voltou à briga, com força total para sair do Z4. Está a 1 ponto de sair, o Sport Recife tem 29 pontos.

Foi um jogo muito ruim, de baixo nível técnico. Tanto que foram apenas 2 chances de gol para cada lado. E o Vasco aproveitou uma das suas. E foi logo aos 8 minutos. Bobeira santista, Cano começa o contra-ataque, toca para Juninho que lança bem Léo Matos, que cruza certeiro para Carlinhos tocar de chapa para marcar o único gol da partida. Jogada de pé em pé. E foi a única boa jogada cruzmaltina. De resto, o Vasco se defendeu muito bem. O Santos só teve uma boa chance aos 33, com Alex, em boa cabeçada, com boa defesa de Fernando Miguel. O Vasco teve duas boas escapadas, com Juninho, aos 14, em que driblou 3 adversários, mas no último passe, tentou o passe para Cano e errou. A mesma coisa em relação a Cano que, ao invés de matar o lance, quis tocar para o meio e….. errou o passe.

O segundo tempo não trouxe nenhuma novidade. Um jogo tosco, horroroso. O Santos tentando empatar e a defesa do Vasco, bem postada. O único lance de perigo foi aos 15 minutos, com Felipe Jonathan, que fez tabela com Bruno Marques e tocou para boa defesa de Fernqndo Miguel. No mais. a equipe paulista nada fez. E nos descontos, Marinho erra o passe e Tiago Reis não esperava e perdeu o ângulo e perdeu um gol incrível, chutando em cima do goleiro. E foi só. Terminou 1 a 0 no final das contas.

Com a vitória, o Vasco chega aos 28 pontos, colado em Bahia e Sport Recife. Segue vivo na briga para sair do Z4. Os próximos jogos serão cruciais com a permanência. Nesse meio o Vasco terá CAP, Botafogo e Coritiba e mais o Dragão. Pelo menos contra Botinha e Coxa, as vitórias serão fundamentais. E tentar arrancar dois empates contra os Atléticos. 36 pontos. E ficarão faltando 9 pontos para sacramentar a permanência. Jogando da forma como foi hoje, a permanência é factível.