Uma Noite Para se Esquecer

Uma noite em que tudo deu errado. Luan se contunde, entra novamente o trapalhão Aislan, time joga de forma previsível, não cria e toma um contra-ataque mortal no final do jogo. Receita para um desastre: final, Paraná 2 a 1`. Com todo o respeito ao time paranaense, com todas as suas conhecidas limitações, é inaceitável e descabida essa derrota do escrete cruzmaltino, até pelo elenco que o Vasco possui.

Quanto ao jogo, o Vasco até que começou bem. Logo aos 6 minutos, lateral cobrado de foram eficaz por Madson; a bola quica na área paranista e sobra para Nenê tocar com categoria, sem chance para Marcos: Vasco 1 a 0. A partir daí, inexplicavelmente, o time diminuiu o ritmo e o Paraná começou a atacar, equilibrando as ações. Rodrigo falhando e quase dando um gol ao Paraná. Algum tempo depois, falta a favor do Paraná na ponta esquerda: Robson cobra pelo alto e Jorge Henrique, ao tentar afastar, faz contra : 1 a 1. Começam as vaias e a incredulidade geral em São Januário. Fim do primeiro tempo.

No segundo tempo, o Paraná diminuiu o ritmo e resolveu jogar mais recuado, atraindo o Vasco para o seu campo de defesa. E assim, o Vasco cria algumas chances com Nenê: na primeira ele cruza e Andrezinho chuta no travessão; na segunda outro cruzamento e Leandrão cabeceia para fora. E na terceira, cobrança de escanteio pela esquerda, Rodrigo cabeceia certo para baixo e a bola raspa a trave. E o Vasco passa a se abrir mais. No final do jogo, o golpe com requintes de crueldade: Aislan e William se atrapalham no meio de campo e a bola sobra para Robson que parte com a bola dominada , corta Aislan para dentro e rola a bola para Murilo Rangel, que toca para o gol aberto: 2 a 1 Paraná. E desaba uma chuva de vaias. Na verdade, a derrota aconteceu de forma similar à do jogo contra o Paysandu; a diferença é que hoje o Vasco criou mais chances. Porém, quem não faz leva.

Agora é juntar os cacos e tentar se reencontrar na Série B. Como o Vasco tem duas vitórias a mais que o segundo colocado, mesmo que perca para o Avaí, sábado, em Florianópolis, permanece líder. Mas estamos a nos acostumar a perder em São Januário. Isso não pode acontecer.