Uma derrota amarga e o cajado da torcida

A derrota de hoje, de certa forma, foi frustrante, pois no segundo tempo empatamos e tivemos chances de virada. O Sampa é um time guerreiro, mas viu-se que não é isso tudo. São líderes com todo o mérito, nos derrotaram hoje; mas não jogaram nada, a verdade é essa. Podíamos vencer e não vencemos. A expectativa era de tomarmos uma goleada… No entanto, falhas pontuais determinaram a derrota.

O jogo começou com um gol relâmpago. A 1 minuto e 19 segundos, jogada pelo lado esquerdo da defesa. Ramon, em mais uma péssima atuação deixou uma avenida em seu lado, pelo qual Éder Militão apareceu completamente livre, com tempo para cruzar; Ricardo Graça tenta consertar a lambança do companheiro de defesa despachando para a frente; porém a bola bate na barriga de Rojas e entra mansamente no fundo da rede. Parte da torcida desaba em cima do jovem zagueiro, apontando o dedo para ele. Porém, vamos ponderar que, se o Ramon estivesse aonde Éder Militão apareceu livre para cruzar para área, sequer teria acontecido isso. A bola foi muito em cima e Graça tentou tirar a bola do jeito que dava. O razoável seria tirar a bola para lateral, porém não havia tempo para a reação. é muito fácil culpar os outros. Será que se fosse o Leandro Castán que tivesse feito isso, a torcida criticaria tanto ? Pois é…E o mesmo Ricardo Graça quase empata o jogo 5 minutos depois em um cruzamento de Pikachu, que Andrés Rios desviou e ele cabeceou para baixo e a bola passou rente à trave. O São Paulo tomou o susto e seguiu a atacar. E perdeu boa chance com Diego Souza aos 19 minutos em disputa com Ricardo Graça que o atrapalhou e ele se enrolou com a bola e Martin Silva defendeu. E outra chance aos 35, com Éverton, que cabeceou a bola raspando a trave em cruzamento de Éder Militão. Verdade seja dita. Éder Militão passeou pelo nosso lado esquerdo juntamente com Rojas, levando vantagem sobre Ramon quase todo o tempo, sobrecarregando Ricardo Graça e Henriquez. A prova disso foi um lance aos 37 minutos na lateral esquerda do Vasco em que Ramon era driblado facilmente por Rojas e Ricardo Graça chegou dobrando na marcação e conseguiu despachar a bola em cima do ponta do Sampa, obtendo o lateral favorável. É fácil criticar apenas um.

No segundo tempo, o Vasco voltou outro time. Contando com a preguiça e a má atuação do tricolor paulista, voltamos mais acesos e aos 9 minutos, chegamos ao empate. Bola na meia direita e Giovanni Augusto dá um passe preciso para Pikachu que ganha na corrida de Bruno Alves e chuta com precisão, sem chances para Sidão. Após o gol, o Vasco cresceu no jogo e imprensou o adversário, assustando o time paulista. E tivemos duas boas chances: uma com Pikachu chutando de fora da área, obrigando Sidão a fazer uma boa defesa e com Giovanni Augusto, pela meia esquerda chutando a bola rente à trave esquerda. Seria a bola do jogo. E a bola pune. E se o Sampa à aquela altura estava morto, acabou acordando e na base da raça, ganharam. Aos 37 minutos, Luiz Gustavo estava com a bola dominada na lateral direita. Ao invés de despachar a bola para frente, quis sair jogando e Éverton, que não acredita em bola perdida, chegou junto, na raça, tomou a bola de Luiz Gustavo e cruzou para Trellez cabecear e marcar o gol. Duas considerações no lance: Luiz Gustavo perde uma bola dominada e Martin Silva adiantado. Sim, Martin Silva estava mal colocado. E aos que culpam o Ricardo Graça pela falha, ele estava sozinho com dois atacantes do time paulista. Cadê seu companheiro de zaga ? Mais uma vez, Graça leva a culpa por ser o zagueiro que estava entre Trellez e Rojas. Só que ele estava sozinho. Complicado. Sendo que Ramon perdeu a bola neste contra ataque de forma bisonha. A nossa torcida precisa aprender a ver o jogo de forma mais coletiva e não buscar culpados. De qualquer maneira, tivemos chances de vitória. Infelizmente não a aproveitamos.

Por fim o comportamento de nossa torcida. Pelas frustrações com 3 rebaixamentos, 18 anos de poucas ou nenhuma glória e times pífios, nossa torcida se tornou passionalmente crítica e com isso sistematicamente busca alguém para apontar o dedo em suas frustrações. No primeiro rebaixamento, um ano depois,em 2009, Alex Teixeira era implacavelmente perseguido, assim como Allan e Dedé.. Isso mesmo, Dedé que hoje a torcida pede a sua volta. Philippe Coutinho em 2010 também foi implacavelmente criticado e hoje é um dos melhores do mundo. Reparem que desses nomes citados, 3 são revelações de nossa tão decantada base. REVELAÇÕES DE NOSSA BASE. A covardia que o zagueiro Ricardo Graça vem sofrendo hoje não é inédita pelo visto. Assim como o lateral esquerdo Henrique. Ramon hoje teve uma atuação ridícula. Foi o responsável direto pelo primeiro gol, pois Graça tentou consertar a bobagem feita por ele e deu no que deu. E errou no segundo também. E se fosse o Henrique o culpado ? Iriam chover críticas. Mas o Ramon não pode… O mesmo aconteceu com Mateus Vital, hoje nos gambás. E mais recentemente Andrey que deslanchou. Ou seja, todos revelados em nossa base. É preciso levar em conta que, dificilmente um clube revela um time inteiro talentoso na base. No Vasco, ocorreram apenas dois casos: o time campeão estadual em 1984 que revelou Regis, Milton Mendes, Mazinho, Leonardo, Santos e Romário. E o time campeão da Copa SP em 1992 que revelou Pimentel, Tinho, Alex Pinho, Leandro Ávila, Vítor. Edmundo, Valdir Bigode e Hernande que foram tricampeões estaduais dois anos depois. Raramente isso acontece hoje em dia. Então é preciso mais tolerância com os jovens. Paulinho e Douglas Luiz são pontos fora da curva. É preciso que a torcida reveja melhor sua obsessão por críticas injustas para que depois, não percamos jovens promissores por valores módicos e depois peça os caras para voltarem no fim da carreira.