Uma chance de ouro perdida

E hoje tínhamos uma chance de ouro de vencer fora. E não aproveitamos a chance. Perdemos para o patético e desesperado Sport Recife por 2 a 1. Mas, mesmo de forma atabalhoada e na correria, eles nos venceram na garra. Em momentos cruciais, em que precisávamos ser mais incisivos, optamos por nos defender e pagamos caro pela falta de ousadia. E perdemos o jogo.

No início, viu-se o que seria o jogo: com 1 minuto e meio, um passe para lateral bisonho foi o retrato de um Sport nervoso e completamente inseguro. Mas corria e corria, dedicação. E essa é uma característica dos times dirigidos por MM: intensidade e marcação alta. Com isso, o Vasco sequer conseguia passar do meio campo. E nos primeiros 15 minutos, nenhuma chance concreta. Aos 16, bate-rebate na nossa área e Michel Bastos acerta a trave. E aos 19, o primeiro gol deles. Sander sai do campo de defesa sem marcação, toca para Mateus Gonçalves que passa por Rafael Galhardo e Bruno Ritter e toca no ângulo esquerdo, sem chances para Fernando Miguel abrir o placar. O gol adversário nos acordou. Estávamos sonolentos, em marcha lenta. E começamos a jogar: aos 22, Andrés Rios, que entrou no lugar de Pikachu, que sofreu uma pancada na cabeça e não tinha como voltar. E aos 24, Rafael Galhardo chutou prensado para fácil defesa de Marilson. O Sport respondeu com Michel Bastos, com defesa de Fwrnando Miguel. E de tanto tentar, aso 39 minutos, o Vasco chega ao empate: Rafael Galhardo cruza; William Maranhão ganha de Gabriel e toca para Fabricio que, com categoria, dribla Marilson e toca para o gol vazio. E no último minuto do primeiro tempo, a gente quase consegue a virada com RAfael Galhardo que cobra falta e Marilson espalma para escanteio.

No segundo tempo, novamente a equipe cruzmaltina volta novamente sonolenta e… tome pressão adversária. Durante os primeiros 15 minutos, pressão ineficaz do Sport, sem maiores sustos. E aí, aos 17 minutos, uma pancada de Cláudio Winck e boa defesa de Fernando Miguel. Porém, aos 23 minutos, não teve jeito: jogada novamente de Mateus Gonçalves pela esquerda, que driblou facilmante Rafael Galhardo, e chutou para boa defesa de Fernando Miguel e, na volta o mesmo Mateus Gonçalves cruza para Cláudio Winck dar o gol da vitória para eles. O Sport ainda teve um gol de Andrigo bem anulado aos 39 minutos e um pênalti aos 46 minutos em que Gabriel em um contra ataque, dispara pelo meio e é derrubado por Giovanni Augusto. E o próprio Gabriel cobra para defesa de Fernando Miguel. E após este lance, outro pênalti, dessa vez a nosso favor não marcado. Mas já era a nossa chance.

E com essa derrota inesperada, seguimos grudados perto do Z4. Se Ceará e Vitória vencerem, voltamos para a décima-sexta posição. Mas teoricamente, o Vitória é o único com chance mais clara e aí caímos para décimo-quinto.E hoje era fundamental vencer. A nossa tabela daqui para a frente é completamente desfavorável. A sequência é: Internacional, Fluminense, Grêmio, CAP, Gambás, Sampa, Palmeiras e Ceará. Desses 8 jogos, 5 são no Rio: Internacional,flores, CAP, Sampa e Palmeiras. Um dos jogos, podemos considerar perdido: o Palmeiras. Talvez, os gambás em Itaquera e do Grêmio. Por isso, que era importante vencer hoje. E termos vencido o Botafogo. Foram chances cruciais perdidas. À medida que avançamos na tabela, mais complicado fica. A rigor, teremos que conquistar 11 pontos em 5 jogos: ou seja, em 15 pontos. Teremos que ter muita raça e sorte. Do contrário, ano que vem, de volta a Série B e sem grana.