Um freio ou choque de realidade….

Na noite de hoje, o Vasco sofreu sua primeira derrota sob o comando de Ramon. A derrota para o tricolor das Laranjeiras por 2 a 1 trouxe algumas lições a serem aprendidas e que futuramente o time terá que assimilar. Pela primeira vez em 9 jogos, o time saiu atrás no placar. E não encontrou uma maneira de reagir a isso e empatar a partida. Ou seja, apareceu uma limitação a ser superada.

Foi um jogo frenético em seu início, com o tricolor partindo para dentro. E logo aos 2 minutos, abriu o placar com Dodi em uma jogada pelo lado direito da defesa cruzmaltina que já se evidenciou desde Abel Braga. E foi por ali que Egídio apareceu livre, cruzou, Henrique cortou, a bola voltou novamente para o lado direito, Ricardo Graça escorrega, Felipe Bastos rebate mal e a bola sobre para Dodi que acerta um belo chute no ângulo de Fernando Miguel, que nada pôde fazer. Com um gol tomado aos 2 minutos, o Vasco ficou meio desnorteado, e disso o Flu se aproveitou para tomar conta do jogo, até que depois do 15 minutos, o Vasco adiantou as linhas e freou um pouco o ímpeto adversário. Aos 22 minutos, em cruzamento de Benitez a bola sobrou para Cano quase na pequena área que tocou fraco e Marcos Felipe fez a defesa. Aos 39 minutos, nova falha da defesa cruzmaltina, de Fernando Miguel que rebate mal uma bola e a bola sobra para Evanilson que chuta e Fernando Miguel se redime, colocando a escanteio. Aos 46 minutos, Benitez cobra escanteio da direita e Ricardo Graça cabeceia e a bola bate por cima da rede.

Se no primeiro tempo foram poucas chances, no segundo tempo diminuiram mais ainda. Foram 2 gols, um para cada lado. O jogo foi muito tedioso; o Vasco tentando dominar o jogo, sem objetividade nenhuma, e o Flu recuado, tentando os contra-ataques. Aí percebe-se a grande deficiência hoje do time de Ramon: ter que jogar atacando. O Vasco joga mais recuado, tentando adiantar as linhas, a fim de jogar por um contra-ataque fatal. MAs não se tinha o homem que articula bem isso, Andrey. Então, o Vasco não tinha uma outra peça; Felipe Bastos ficou nesse papel e nada fez. Assim, o Flu teve sua tarefa facilitada. E exatamente num erro de passe, veio o gol que definiu a partida aos 35: erro de Juninho, Dodi pega a bola e passa para Fred, com a defesa cruzmaltina aberta; no mano a mano chutou a bola na frente de Castan, que não consegue barrar o arremate e Fernando Miguel falha, indo mal na bola, que passou entre suas mãos: 2 a 0 Flu. Aos 41 minutos, o Vasco faz um bom ataque, o único em todo o jogo e Bruno César arremata, Mcarcos Felipe rebate e Talles Magno confere, dando números finais a partida. E Talles Magno ainda é expulso aos 45, revidando uma entrada de Igor Julião. Um final melancólico.

Se é que se pode se ver um lado positivo no jogo de hoje, é que o Vasco tem suas limitações de elenco. O time hoje não teve um primeiro volante; Felipe Bastos não é esse jogador. Mas não tinha outro. Bruno Gomes, com Covid 19 seria esse jogador. Por outro lado, serviu para Ramon ver o que fazer, quando o Vasco sair atrás no placar. É preciso se encontrar uma forma de sair das adversidades. O time precisará melhoras e se aperfeiçoar, de forma a reagir melhor as adversidades como a de hoje. Mas também não é motivo para se demonizar o time. O time atual do Vasco ainda é uma obra em construção.