Um empate sonolento

Estádio vazio. Um cenário melancólico, diferente para os jogadores e técnicos das equipes, não habituadas a portões fechados. Uma entrevista do zagueiro santista David Braz, horas antes, refletia o pensamento de todos. No mais, um empate sonolento refletiu o quanto esta melancolia contaminou as equipes de Vasco e Santos. Pelo menos o Santos manteve a terceira colocação e o Vasco, a oitava. Mas poderia ser melhor para nós este resultado.

A verdade, caros leitores, é que pelo que se viu hoje, parecia que o Vasco era o terceiro e o Santos, o oitavo. O Santos jogou esperando o Vasco em seu campo. O Vasco foi melhor durante os 90 minutos, teve mais chances concretas. O Vasco teve 7 chances concretas de gol, o Santos apenas 2. Por aí se vê como foi a partida de hoje. O jogo iniciou com o Vasco em cima e o Santos nos contra ataques, o que não deixou de ser surpreendente, uma vez que nos últimos jogos fora de casa, o Santos foi bem mais incisivo e ganhou inclusive do Galo. Sendo assim, o Vasco foi envolvendo o adversário, principalmente pela esquerda, com boas triangulações de Wagner, Nenê e Ramon, quando este ia ao ataque. Com isso, fomos chegando aos poucos e em uma delas, Nenê sofre falta na entrada da área. Pikachu cobra e a bola bate no travessão de João Paulo e sai pela linha de fundo. Mas no final da primeira etapa, o Santos deu duas estocadas perigosas; uma aos 41, em cruzamento de Lucas Lima em que Paulão consegue impedir que a bola chegue ao ataque santista; e aos 45, em escanteio cobrado por Lucas Lima novamente e Bruno Henrique cabeceia e a bola descai e encobre nossa meta. E terminou o primeiro tempo e o Santos pararia por aí..

O segundo tempo foi inteiramente nosso. Tocamos mais a bola, criamos muitas chances de gol. Thales teve três chances, sendo que em duas, dois bons cruzamentos: um da esquerda de Ramon e outro de Madson da direita. E ambas, raspando a trave. E também em um bom chute de fora da área em que o goleiro João Paulo defendeu de forma esquisita e Madson pegou a sobra e cara a cara com o goleiro chutou pelo lado de fora, na maior chance que tivemos na partida. E também tivemos dois chutes de Nenê defendidos por João Paulo. e no final, Guilherme Costa, que entrou no lugar de Pikachu soltou uma bomba de esquerda, novamente defendida por João Paulo. Enfim, martelamos nos últimos 35 minutos e infelizmente o gol não saiu. Mas também temos que levar em conta que enfrentamos o bom time do Santos, que é o terceiro colocado na tabela. Mas que poderia ser melhor, isso não há dúvida. Destaque para Thales que se movimentou bastante, correu o campo todo. Merecia o gol, mas infelizmente ele não saiu. Vem melhorando jogo a jogo.

Próximo jogo é contra um tradicional adversário, o São Paulo Futebol Clube. Estão na zona de rebaixamento, assim como o Vitória da Bahia está. Será uma pressão muito grande que enfrentaremos. Aliás, os próximos dois jogos serão duríssimos; o outro será contra o Galo. Todos os dois fora de casa. Mas vendo os dois últimos jogos, percebe-se uma melhora defensiva de nossa equipe. Foram 4 gols a favor e um sofrido. Este jogo contra o Sampa é um jogo chave. Ele é um jogo difícil, independente da situação deles. Seria dificil do mesmo jeito, se eles não estivessem na zona do rebaixamento. Apenas será mais dramático para eles. Temos que aproveitar o desespero deles para quem sabe, conseguirmos mais uma vitória.