Um empate insosso , a perda de Ramon e a reta final das eleições

O leitor olha o título da coluna e fica estarrecido. Geralmente esta coluna contém títulos curtos. Só que além do jogo patético de ontem, existem os outros 2 temas, cada um com sua gravidade. Principalmente o último por ser o nosso futuro em jogo.

O jogo de ontem pode entrar na categoria de um dos piores do Brasileirão 2017 todo. Uma atuação pífia de ambas as equipes. Um jogo para se esquecer. O Vasco indubitavelmente melhorou o sistema defensivo, mas o ataque…. de riso. Só tivemos uma chance real de gol de Nenê…. E ainda assim, a bola bateu em Juan, portanto uma ajuda adversária. O primeiro tempo foi de dar sono. Nenhuma defesa dos dois goleiros. O Flamengo teve uma chance quando Ramon, em uma atuação pífia, entregou uma bola para Éverton Ribeiro, que cruzou para Everton tocar para fora com perigo. Já a nossa chance, se é que podemos dizer dessa forma, foi em um contra ataque com Paulão, que toca para Andrés Rios que ajeita de calcanhar para Madson que tenta emendar, mas é travado por Rodolpho. E foi só.

O segundo tempo foi mais animado. Logo a um minuto, escapada de Pikachu nas costas de Trauco, cruzamento, mas a cabeçada vai por cima do gol. Pouco depois, aos 14, Ramon escapa bem pela esquerda, cruza; a bola vai ao encontro de Andrés Rios que toca para trás e Nenê pega mal na bola; mesmo assim, a bola bate em Juan e acerta a trave de Diego Alves. E o Vasco parou por aí. No último terço final, só deu mulambos. E a rigor, só tiveram 3 chances reais. Uma com Lucas Paquetá chutando rente a trave aos 24 minutos; um chute de William Arão em ótima defesa de Martin Silva e uma jogada de Vinícius Júnior que cruzou para Felipe Vizeu cabecear para outra defesa de Martin Silva, só que uma defesa tranquila. Fora isso, nenhum grande perigo. Diego cobrou uma falta, mas a bola foi parar em São Janu. E o fechamento foi justo para um jogo insosso.

Em relação ao nosso bravo lateral Ramon, a nota triste da partida. Ainda que ontem ele tenha tido uma atuação abaixo da crítica, ocorreu uma infelicidade com nosso jogador. Aos 39 minutos do segundo tempo, em um lance aparentemente dominado, em um primeiro momento, imaginou-se uma pancada de Éverton Ribeiro em Ramon. Mas olhando com mais exatidão, percebe-se um passo em falso de Ramon, com a bola dominada e então ele torce o joelho direito. Uma infelicidade. Hoje foi feito o exame de ressonância e foi detectado rompimento do ligamento cruzado anterior. Portanto, ficará 6 meses afastado do futebol. Tal qual Kelvin, no jogo contra o Corinthians. Hora do CAPRES trabalhar. Força ao nosso guerreiro da lateral esquerda. Nas redes sociais, muitos torcedores fazem a sugestão de colocar o Gilberto ali. Pelo amor de Deus. O cara fez um monte de lambança na defesa, não sabe marcar e querem improvisar ? O torcedor tem memória curta mesmo. Tem que ser Alan Cardoso ou Henrique. e ponto final. A torcida deveria sim parar de perseguir o Henrique e o Alan Cardoso. Para esta coluna, o Alan Cardoso seria a melhor escolha, em função da perseguição da torcida ao Henrique, que podemos considerar um exagero. Mas quem sabe Zé Ricardo consiga fazer Henrique jogar. e ele recuperou o Madson, quem sabe…

Quanto a política cruzmaltina, a uma semana do pleito, Julio Brant e Alexandre Campello resolveram selar a união. Segundo as últimas pesquisas, o atual presidente encontra-se na frente. O que se percebe nestes números, é que o melhor seria que uma dessas chapas, ou as duas deveriam se juntar ao Fernando Horta. Embora tenha sido vice-presidente na atual gestão, Horta tem o benefício da dúvida, sem contar que tem apoios de peso de empresários cruzmaltinos. Então, se o objetivo é derrubar o atual presidente, hoje o melhor caminho é a união em torno de Fernando Horta. Ele tem o apoio de beneméritos e consegue ter trânsito na oposição e na situação. Julio Brant não tem força para pacificar o clube em torno do seu nome. Fica a dica.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *