Tudo gira em torno de paixão?

Pergunto aos senhores, no futebol, tudo gira em torno de paixão? Pode até ser para o torcedor comum, aquele que acompanha o time na maioria das situações de êxito ou derrota, seja pela internet, tv ou mesmo pelo rádio… Tem muita gente que ainda adora ouvir rádio e saber os detalhes do seu clube pelas observações e informações dos radialistas.

Já fora deste mundo de torcedores apaixonados tenho certeza que o que manda não é a paixão, minha convicção é que tudo gira em torno de dinheiro, mas vamos aos fatos, quem sabe você se convença…

Aproveitando o gancho que o Zeh Catalano me deu quando comentou sobre sua aversão a camisas que não seguem a tradição das cores do clube, as amadas por uns e odiadas por outros, terceiras camisas, e também as camisas de treino.

O Zeh me perguntou: Por que raios os uniformes de treino dos clubes têm, hoje em dia, cores estapafúrdias? Eu diria elementar meu caro Zeh!! É para ganhar dinheiro mesmo!!!

Fazendo um paralelo com a indústria automobilística onde de um ano para outro muitas vezes mudam-se apenas detalhes cosméticos em acabamentos, lanternas e aerofólios e se usam outras cores e então temos um novo produto!! O carro já é 2014/2015, isto ainda no meio do ano e aí a história é conhecida por todos nós, o público ávido por novidades vai lá e troca de carro levando o modelo mais atual… Atire a primeira pedra quem nunca…

Pois bem, no futebol não poderia ser diferente, como fazer o torcedor, o fã, comprar um camisa nova? Novas cores, novos detalhes, um homenagem aqui, um detalhe acolá e está pronto nosso novo desejo de consumo…

É verdade que tem vezes que se produz coisas verdadeiramente horrorosas… rs. Vide a camisa rosa do Palermo e também da Juventus; a do Barcelona listrada de amarelo e vermelha (homenagem a Catalunha); a amarela do corinthians; aquela do Tabajara que o rival fez e foi defenestrada por todo mundo… rs rs Os exemplos são muitos mas os lucros também o são…

Vejam os senhores que a camisa roxa do corinthians (gostei muito da estética) que o Zeh odiou foi o maior sucesso de vendas da história do clube, o que não salvou o Diretor de marketing deles de ter a moto toda pichada de roxo por conta da intolerância da torcida…

O que quero dizer com tantos exemplos é que a terceira camisa e as camisas de treino em cores diferentes das cores do clube vieram para ficar, elas pagam o parceiro fornecedor de uniformes, também geram alguma (pouca) receita para o clube e movimentam e estimulam os torcedores. Em resumo, é um fenômeno que já foi assimilado e abraçado por todas as torcidas…

A verdade é que hoje todo produto tem um ciclo de vida mais curto que antigamente, a era é da velocidade e do imediatismo, será que algum jovem de menos de 25 anos conseguiu ler o texto até aqui? Sei não… rs rs

Nota-se que os jogadores hoje seguem a mesma lógica das camisas, cada um com seu ciclo de vida, ambos tendem a mudanças conforme o tempo (curto) mas deixarei para falar sobre isto em outra oportunidade pois ainda estou colhendo dados e pesando certas impressões.

Aí vem a pergunta: devemos continuar com a “tradição” mantendo-nos (clube, torcida) engessados ou devemos aceitar certas mudanças e dentro da filosofia e dos valores que temos orgulho promover mudanças no clube?

Não podemos nos esquecer de nosso papel de protagonistas e pioneiros, já que somos o clube que promoveu a mudança mais profunda no futebol a partir da valorização e aceitação dos negros como jogadores e do repúdio ao racismo de maneira comprovada e documentada através da “Resposta Histórica”.

Vamos pensar um Vasco novo? Que mudanças ou idéias você gostaria de ver implementadas no CRVG?

#Vasco
#VascoSempre
#QueroMeuVascoDeVolta
#GiganteDaColina
#OQueVocêFezPeloVascoHoje

———  xxx ————
NOTA

Um abraço fraterno ao irmão Jorge Eduardo Antunes que ontem perdeu sua mãe.
Jorge, ela fez a passagem com a certeza de ter deixado um ser humano muito bacana neste mundo, não tenho dúvidas que você a fez muito feliz. Que Deus possa consolar seu coração na medida do possível e do tempo que lhe for necessário.