Sobre Uruguai 1 x 0 Itália

uruguai 1 0 italia gol de ombro Numa Copa cada vez melhor, dois gigantes em campo num jogo tenso, brigado, disputado e com poucas chances de gol. A Itália jogava pelo empate e isso lhe dava um leve conforto – mas apenas leve. Do Uruguai, o de sempre: garra, luta, disposição mesmo sem grandes valores individuais. Depois do primeiro tempo em zero, o resultado parecia que não ia se alterar na etapa final. Apesar da briga incessante dos times, poucas jogadas eram traduzidas em finalizações. As substituições de Balotelli e Lodeiro não alteraram os cenários. O que mexeu mesmo com a partida foi a expulsão do italiano Marchisio aos 15 minutos. Claro que o Uruguai teve mais espaço para jogar; contudo, debaixo do calor, os times adotaram um ritmo menos intenso. A Itália tentava administrar a vantagem. Quando tudo sugeria o final empatado, aos 37 minutos o zagueiro Godín subiu com tudo e fuzilou o espetacular goleiro Buffon: bola no canto direito, Uruguai 1 x 0. Mas não de cabeça e sim de omoplata. Pode-se dizer que foi a primeira segunda finalização uruguaia efetiva na partida. E o final? Emocionante como sempre: a Itália vindo com tudo em busca do gol salvador, a Celeste se defendendo como podia e cada segundo durando um século. Buffon largou a meta e tentou ajudar no ataque. Antes, Suárez deu uma mordida no zagueiro dentro da área. Garra, garra. Num jogo igual demais com duas seleções que, somadas, possuem seis Copas do Mundo, venceu por uma vírgula quem acreditou em absolutamente tudo. Este jogo entra para a história não como uma grande decisão numa semifinal ou num mata-mata, mas como um dia em que duas escolas de futebol ensinaram ao mundo como a emoção e a dedicação são capazes de fazer uma partida inesquecível, mesmo que a excelência técnica não estivesse plenamente presente. Justiça seja feita: onde Pirlo está, o talento resiste sempre nos passes e lançamentos. O Uruguai foi gigante e segue; altiva, de pé, a Itália foi valorosa e guerreira. Triste que esse duelo tenha sido traçado tão cedo. A Copa é assim. @pauloandel