Sobre mais uma derrota

Vasco 1 x 2 Atlético Mg. Mais uma derrota melancólica. Mais uma vez com um time mal escalado.

Confesso que torci pela efetivação de Marcos Valladares como técnico para a temporada. A partida de ontem me mostrou o quanto eu estava errado. O Vasco atuou em grande parte do jogo com Pikachu torto pela esquerda e Marrony torto pela direita. Enquanto isso se manteve, o time simplesmente não andou.

Acontece que essa formação é uma cópia exata do bom time de juniores vice-campeão da Copa São Paulo deste ano. Nele, Lucas Santos atuava como falso ponta-esquerda, e o excelente João Paulo, canhoto e fisicamente bem parecido com Lucas, pela ponta-direita. O time funcionava assim, e era claramente treinado para isso, com estes dois jogadores funcionando maravilhosamente bem nessas posições. Pikachu e Marrony mostravam em minutos estarem tortos e desconfortáveis no esquema. Isso foi minimamente treinado? Porque não posso acreditar que o que vimos em campo tenha sido testado antes, de tão mal que os dois jogadores envolvidos na mudança atuaram.

Bastou tomar um gol e cada um voltar para o seu lugar que o time melhorou, empatou o jogo e esteve próximo de virar. Mas isso não aconteceu, como vimos.

A tentativa de reproduzir o esquema que deu certo com o time que treina no time de cima com jogadores claramente desconfortáveis nos papéis-chave mostra que ele ainda não está pronto para o desafio.

Infelizmente, não é só de técnico que precisamos. Ontem, com uns 35 do segundo tempo, o time estendeu um metro de língua e simplesmente parou. Alguns jogadores não conseguiam mais andar. Yan Sasse, com seus 20, 20 e pouco anos, teve cãimbras.

Enquanto isso, na Espanha, Messi, trinta e tantos anos de idade, em final de temporada, com quase 60 jogos nas costas, dava piques de área à outra no finzinho do jogo contra o Liverpool, pela Champions League.

Que porcaria de preparação física é essa que temos no Vasco? Sucessivas contusões musculares, jogadores jovens caindo de cansaço com a temporada já avançada em três meses? Bruno César e Maxi Lopez, sem ir muito longe, quando entrarão em forma? Esse fracasso físico ajuda a explicar a quantidade deprimente de gols que tomamos nos finais de jogos. Um bando de mortos, se arrastando em campo, entregam os jogos no fim porque não tem pernas para marcar os adversários. Até quando? Quem se responsabiliza?

O gol de Maxi Lopez veio num chute abafado pela defesa adversária. Enquanto isso, os gols que tomamos surgem de chutes lindos, com os atacantes livres para colar nosso goleiro (que vai bem, graças a Deus, pelo menos isso!) nas redes, sem que ninguém os abafe. Todo jogo é isso. Acho, sim, que muito dessa letargia deriva do preparo físico lixo que estamos tendo. Não adianta contratar 300 jogadores, perder 150 por contusões musculares e os demais estarem parecendo um bando de aposentados que não aguentam os noventa minutos de um jogo.

Por último: tá todo mundo cansado de passar vergonha, de fazer conta, mas não adianta ficar desesperado. Dois jogos. Calma. Vai passar. Torçamos.