A selvageria dos jornais

Quinta-feira passada passada. Cerca de sete mil abnegados vascaínos deixaram de lado até ameaça de furacão para ir assistir Vasco e Madureira jogarem em São Januário, às 9 da noite. Atuação ruim, dando sono até pra quem estava na frente de uma tv a mais de 1000 km de distância. Vitória sem brilho.

No meio do segundo tempo, aparece na tv a imagem da PM separando a torcida do Vasco da Gama da torcida do Vasco da Gama. Inadmissível o surgimento de uma “faixa de gaza”, termo cunhado no Maracanã para designar o espaço entre a Raça Rubro-Negra e a Torcida Jovem. Porém nada mais aparece. Apenas o cordão de isolamento. Pra quem via de casa, nada aconteceu. Só a ação da polícia.

Ontem, domingo, no Globo, o porta-voz extra-oficial do rubro negro publica em sua coluna que houve “cenas de selvageria explícita” no “confronto de duas facções vascaínas, em São Januário”.

rmp150208

Pior que isso, equipara este suposto confronto à perigosíssima invasão do vestiário do Macaé por uma torcida rubro-negra, na qual atletas, comissão técnica e familiares dos jogadores do Macaé correram risco até de morte. Com isso, tenta minimizar o evento mais violento dos últimos anos no futebol, comparando uma invasão de vestiário por uma horda de “torcedores” a um tumulto de arquibancada.

Nas redes sociais, torcedores que estavam em São Januário afirmaram que não aconteceu rigorosamente nada entre as torcidas. A “selvageria” se limitou ao cordão de isolamento da polícia.

Graças então aos torcedores presentes, ficamos sabendo que o que saiu no jornal não é a verdade dos fatos.

No entanto, o leitor comum do jornal e da coluna já pode repetir por ai que ocorreu uma “barbárie” em São Januário.

Com a volta de Eurico, o Vasco, que jamais teve a boa vontade da imprensa, voltou a ser o clube mais odiado do Brasil. Este cidadão, por exemplo, com mágoas eternas de São Januário, seus líderes e seus recantos, jardins e caramanchões, quer ver o Vasco reduzido a nada.

Mais que nunca, o Vasco precisa de união. O Vascaíno precisa perceber que, pro bem e pro mal, é de Eurico que nós estamos indo. É ele que teremos de aturar nos próximos 3 anos e que já temos inimigos demais fora do clube tentando destruir o clube. Precisamos olhar pro lado e ver que o cara que está naquela arquibancada não é rival, por mais que possa pensar diferente de nós. Acima de tudo o Vasco. Acima das vaidades. Das picuinhas políticas. Da vontade incontrolável de alguns de aparecer.

Não interessa a estes inimigos um Vasco forte e unido. Interessa que nós lhes ofereçamos “barbáries” que possam ser exploradas nos programas esportivos. Interessa que sejamos o contraponto ao verdadeiro querido da mídia. O falido, o violento, o ultrapassado, o aliado da federação. O saco de pancadas do moderno, “profissional”… O mais protegido.

Já passou da hora da união. Não podemos oferecer esse presente aos verdadeiros inimigos do Vasco.