Rodada estranhíssima!

Numa rodada estranhíssima, não poderia o jogo do Vasco ser diferente. Sim… Estranhíssima!

Começou mais cedo com o jogo do Botafogo quando houve um primeiro tempo que se terminasse uns 4 a 0 para o Madureira, não seria exagero nenhum. Fizeram só um e voltaram no segundo tempo para ver outro jogo…

Depois um “flaflu” em que os outrora inimigos (vide a disputa para não cair e o caso “flamenguesa” ou “flumenguesa”, ou melhor ainda “flaflumenguesa” no fim de 2013), posam de “paladinos” (com muitas aspas, por favor) da moralidade no futebol carioca e entram fazendo um protesto no mínimo patético… Na bola rolando, deu Fla com uma expulsão ridícula do Fred que sai de campo vociferando contra o… Vasco? Ué? Mas o jogo não era contra o Fla?? Esse rapaz (nem tão rapaz assim…) sabe fazer contas? Sabe que para nós o melhor resultado seria a vitória tricolor? Ou ele acha que não queríamos vencer a Taça GB para levar a vantagem nas finais? Eu hein…

Enquanto isso, em Nova Friburgo, um festival de besteiras, erros, lances bizarros, etc. aconteciam.

Nos dois tempos começamos bem o jogo até marcarmos um gol. A diferença é que no primeiro tempo, depois de marcarmos os gol, entramos num desespero simplesmente incompreensível. Parecia aqueles momentos do jogo em que o adversário se agiganta porque marcou um gol e o seu time parece perdido… Ora… O gol foi nosso!

Enquanto que no segundo tempo, após o gol voltamos ao nosso crônico problema em criar jogadas de perigo ao gol. É um tal de toque para um lado, para trás, para o lado, para trás… Nossa posse de bola beirando os 80%, mas chute a gol… Nenhum!

Completando a bizarrice do jogo, tivemos 3 pênaltis a favor. Na minha opinião, o primeiro eu não marcaria, e o terceiro foi claríssimo. O segundo? Sei lá… Se alguém souber como funciona a regra agora sobre a tal “bola na mão” ou “mão na bola”, envie cartas para a redação… Mais estranho ainda, os dois pênaltis duvidosos foram convertidos, e o que foi cristalino, perdemos.

Digno de citação o mais bizarro de todos os gols que tomamos, o quinto gol do Friburguense: um chutão do Serginho que explode no jogador adversário e vai para dentro do gol como se fosse um chute indefensável…

Resultado de tudo isso: a Taça GB já era, mas como estávamos no fim de semana mais estranho do campeonato, mesmo perdendo, subimos uma posição e estamos em terceiro lugar.

Salvo mais alguma “traquinagem” dos “deuses do futebol”, conseguiremos nossa classificação para a fase final na próxima quarta contra o Volta Redonda. Dependemos apenas de nós e um simples empate é suficiente. De qualquer forma, recomenda-se acender algumas velas até lá…

—–

Esquisitices à parte, pensando um pouco mais a frente, precisamos trazer alguém para municiar o nosso ataque. Jonh Clay já provou a todos que ainda não dá (e nem sei se dará algum dia…). O Bernardo deveria poder só entrar para bater faltas. O Julio do Santos até é bonzinho, mas é lento demais.

Outra coisa: o que afinal está acontecendo com nosso sistema defensivo? Nos últimos 5 jogos, tomamos 10 gols! Antes disso, tínhamos tomado apenas 3 gols…