Retiro espiritual

Cinco dias no meio do mato. Retiro mental, espiritual, etc. Pra quem trabalha com tecnologia, só assim pra descansar e desintoxicar. Um lugar lindo, no cerrado, Chapada dos Veadeiros. Sem telefone. Sem celular. Sem internet.

Vindos do satélite, meia-duzia de canais, dentre os quais um rural e um evangélico. E a Globo, o que me permitiu ver o Vasco passar bem pelo Santa Cruz, ainda que tomando um gol inaceitável (obrigado, Madson!). Na quinta-feira à tarde, uma ida a Alto Paraíso, a cidade mais próxima, deu a ilusão de que a internet funcionaria e eu conseguiria ler o que se passava no mundo.

Por uma grande ironia, consegui ler apenas um post do facebook. Era um amigo tricolor provocando quatro ou cinco (eu incluído) vascaínos citando uma matéria do site da ESPN que dizia que o Martin Silva estaria processando o Vasco por uma dívida de um milhão. Só consegui ler o deboche do tricolor e a chamada, que aparecia no post. Mais nada.

Voltei pra fazenda onde estava com essa bomba na cabeça e sem ter qualquer outra informação coerente e confiável. A notícia, se verdadeira, colocaria o Vasco de volta no turbilhão de desgraças dos anos passados. Jogadores indo embora por causa de dívidas. E a tênue normalidade de São Januário, que já dura quase um ano, virando fumaça.

Eram os cinco dias de isolamento para recarregar as baterias e tirar um pouco a cabeça do stress e dos problemas da vida. E ai, no meio desse descanso, notícias péssimas do Vasco. Confesso que me preocupei. E fiquei muito irritado de me preocupar nesses dias com o Vasco, Martin Silva, Eurico etc.

Sexta à noite, com a chegada do cunhado vascaíno, a verdade: a questão jurídica é um imbroglio com um ex-presidente do Olimpia e tem algo a ver com a negociação do Martin Silva para o Vasco, mas absolutamente nada com o jogador em si.

Esse exemplo, verdadeiro, é uma amostra bem real do que se passa fora das capitais e do estrago que uma matéria mal apurada pode fazer. A velocidade alucinada das notícias via 4G, facebook, twitter ou outras redes sociais não é a mesma no interior do Brasil. A informação demora a chegar, mas quando chega, é aceita como verdade, até porque não há como checar a veracidade daquilo. Passei então 24 horas acreditando que o Martin Silva estava em litígio com o Vasco e que 2016 estava oficialmente indo pro ralo.

Felizmente não era verdade.

Isso é uma amostra da (ir)responsabilidade de se escrever besteiras na web. Tem gente que acredita na gente.

/+/

Não aguento mais o Madson.

/+/

Se o Cappres curar o Fellype Gabriel, eu passo a acreditar na excelência do negócio.

/+/

Bem-vindo, Éderson.