Quem não faz, leva

Foi exatamente o que aconteceu na noite de hoje. A equipe cruzmaltina fez uma boa partida, dentro de seus padrões atuais. No entanto, não soube aproveitar as chances criadas. Já o Atlético Paranaense teve uma bola na trave e outra no gol. E ganhou o jogo. E voltamos para uma posição ruim que estávamos na tabela.

O jogo foi igual. No primeiro tempo, o Furacão começou em seu estilo habitual em casa, imprensando o adversário. Ciente disso, o Vasco se plantou bem e aguentou firme os primeiros 20 minutos. Depois disso, o cruzmaltino iniciou alguns contra-ataques. E em dois deles, criamos chances claras de gol, a mais cristalina com Vinícius Araújo aos 29 minutos, em uma pixotada do goleiro Santos. O goleiro foi sair jogando e entregou a bola nos pés de Vinícius Araújo que não acreditou no presente, avançou, cortou o zagueiro Zé Evaldo e perdeu um gol inacreditável. Cinco minutos depois, bobeira de nossa defesa e Zé Evaldo aparece sozinho para soltar uma bomba para defesa de ?Martin Silva. E aos 40, outra boa chance desperdiçada pela equipe cruzmaltina: escanteio cobrado por Pikachu, a defesa rubro-negra falha e Raul fura a bola na primeira, mas na segunda chuta forte, Santos defende e na volta Rios dá uma bicicleta por cima do gol. E esses gols fariam falta mais adiante.

Tendo sido melhor na metade final do primeiro tempo, o Vasco voltou dormindo no segundo tempo. E aos 4 minutos, falha da zaga e Zé Evaldo acerta o travessão de nosa equipe. E seguiu a pressão do time da casa e, aos 18 minutos pagaríamos a conta das chances perdidas no primeiro tempo: Lenon falha na marcação e permite o cruzamento do zagueiro Leo Pereira que, encontra Rafael Veiga, que cabeceia livre entre nossos dois zagueiros. Principalmente, Bruno Silva que não chegou junto na marcação. Quem não faz leva. A velha máxima futebolística derrubou os cruzmaltinos. O Vasco tentou reagir, com uma cobrança de falta de Andrey aos 35 minutos e depois com Pikachu com 43 minutos chutando e a zaga desviando para escanteio. E mais uma derrota consumada.

Com isso, voltamos a ficar em situação delicada, em décimo quinto lugar. Teremos uma sequência complicada com jogos contra Santos, Vitória da Bahia e América Mineiro, os dois últimos fora. O que esperar dessa empreitada ? O ideal seria vencer o Santos aqui e ganhar um dos dois jogos fora. Mas do jeito que a gente anda, é difícil imaginar algo além de duas derrotas fora. E aí, correremos risco sério de um novo rebaixamento. Resta-nos torcer para que tudo corra bem.