Torcida de primeira!!!

Confesso que sempre tive uma ponta de “inveja” da torcida do nosso maior rival. Ok. Não acredito na utopia que eles propagam de, somente por serem numericamente (e só numericamente) maiores, eles fazem a diferença. Se assim fosse, o selecionado chinês de futebol já teria ganhado algumas Copas do Mundo. Sei também que há uma boa dose (e põe “boa” nisso!) de ajudas “externas” nisso tudo, como arbitragens que teimam em errar com mais frequência para o lado de lá, uma preferência midiática mal escondida, etc. Mas é inevitável reconhecer também que há mérito na torcida dos caras. O Campeonato Brasileiro conquistado em 2009, a Copa do Brasil no ano passado e a fuga do rebaixamento neste 2014 são bons exemplos do que estou falando.

Mas ontem eu pude testemunhar – e graças a Deus fazer a minha filhota ver também, o mais puro exemplo daquilo que nos diferencia. A nossa torcida deu um exemplo que sinceramente eu não conheço na história do futebol mundial, de como se comportar. De um discernimento tão elevado, que foi capaz de separar o clube, a instituição daqueles que no momento vestem a sua camisa.

Vendo que dela dependia um futuro melhor ao nosso clube, compareceu em massa nos últimos três jogos realizados no Rio de Janeiro, e apoiou incondicionalmente essa verdadeira mulambada que forma o nosso time atual.

Nos dois jogos no Maracanã (conta o ABC e ontem contra o Icasa), eu presenciei um apoio apaixonado, mais não cego. Um apoio à nossa história, às nossa glórias, mas não um apoio a qualquer um que hoje veste nossa camisa.

Pois bem: objetivo alcançado com o nosso retorno para a série A, uma sonora e merecidíssima vaia ecoou como nunca no Maracanã! Em seguida mais uma manifestação legítima ao clamar a plenos pulmões, a vergonha que esse time de fato é.

Nosso comportamento ontem foi digno de nota em qualquer livro futuro sobre o futebol mundial. O de uma torcida inteligente, sofridíssima nestes últimos 14 anos, mas com um amor incondicional ao clube que soube separar as coisas.

É a essa torcida fantástica, à qual eu tenho um imenso orgulho de pertencer, juntamente com toda a minha família, que a “nova” diretoria deve satisfações para os próximos três anos. Que o nosso “novo” presidente, eleito por nem 1% dessa mesma torcida, pense em primeiro, em segundo e em terceiro lugar nela. Que faça realidade o discurso de “trazer o Vasco de volta” (e queime a minha língua…).

Nem precisava prometer isso… Nós fizemos isso ontem. Nós da Turma da Fuzarca! Nós da Imensa Torcida Bem Feliz!

—–

Justiça seja feita: em mais uma demonstração de discernimento ímpar, após as demonstrações de insatisfação da torcida ao fim do jogo, homenageamos quem merecia ser homenageado nessa tétrica campanha na série B. Gritamos os nomes de Guiñazu e Martín Silva.

E realmente, na minha opinião, foram os únicos que se salvaram desse timeco ridículo que envergou a Cruz de Malta nesse purgatório que passamos em 2014.

Quem me dera termos 11 Guiñazus em campo em 2015…

—–

Frase ouvida ontem na saída do Maracanã: “Faltam 45 pontos para nos mantermos na série A em 2016…” Será…? Espero que não. Não merecemos isso.

—–

Amigos, vamos nos policiar e falar corretamente o português. Quando afirmarem que voltamos, o façam de maneira correta! Digam: “O Vasco voltou PARA a série A”. Pois como a sua Professora de língua portuguesa deve ter te ensinado lá atrás, quem “volta a”, volta para retornar. E quem “volta para”, volta para ficar!!

Adeus série B e até NUNCA MAIS!!!

—–

Fim de sábado à noite, após o jogo, fui a um churrasco de uma amiga onde tive a oportunidade rara de encontrar os meus três amigos torcedores dos rivais juntos!

Para quem não leu os meus textos anteriores, refiro-me aos meus amigos Felipe (tricolor), Zequinha (botafoguense) e Luiz (flamenguista). Sugiro a leitura de cada um dos textos onde eu descrevo cada um deles – típicos torcedores de seus clubes.

Inicialmente, tanto Felipe quanto Zequinha vieram me cumprimentar. Luiz, o rubro-negro, ficou quieto…

– Não vai também me parabenizar não…?

– Dar parabéns a o que? À volta à série A? Fala sério! Isso é igual a comemorar a soltura de um parente da prisão: comemora mas dá vergonha…

– Bom… Eu teria mais vergonha de saber que um parente meu cometeu um crime, mas não está preso porque se safou na base da “esperteza”. E se caso eu tivesse um parente saindo da cadeia, pelo menos eu teria a consciência serena de saber que ele cumpriu o seu débito com a sociedade. Envergonha-me mais a impunidade do que pagar pelos erros cometidos.

Vendo que a tal conversa não iria prosperar, meu amigo rubro-negro – que andava até meio quieto depois das chineladas que tomou do Galo, saiu de perto…

Vira-se então o Zequinha e conversa comigo:

– Mais um ano sem nos enfrentarmos, né…?

– É Zequinha… Eu vi o jogo do Botafogo… Perder um pênalti e em seguida tomar um gol mostra que as coisas estão bem ruins para vocês…

– O pior é que o horizonte para nós é terrível. Sem time, sem dinheiro…

– Amigo, mire-se na nossa torcida. A torcida de vocês passou 21 anos sem ganhar nada e se manteve fiel. O Fogão vai resistir!

Ele me deu um abraço fraternal e foi pegar uma cerveja para brindarmos a volta à elite. Nisso, Felipe, com a sua indefectível taça de Martini (quem em sã consciência toma um Martini num churrasco?!?!? Só esse meu amigo tricolor…) vira-se e também conversa comigo…

– É amigo… O pior é ter time e tomar uma chinelada do Chapecoense em pleno Maracanã cheio… Vocês mesmo não tendo um time lá essas coisas, pelo menos conseguiram o objetivo maior.

– Calma Felipe… Nosso time vai ter que ser todo desfeito e você sabe como é inciar a formação de uma nova equipe, né…? Não sei se teremos essa paciência toda no ano que vem… Vocês pelo menos tem uma base que já joga junta a um tempo e até que vem tendo bons resultados nos últimos anos. Se não ganham, pelo menos entram para disputar, e não só para não cair…

– Porra! Não sabe? Fala sério! Vocês hoje deram uma aula de honradez no Maracanã! Não deixem isso escapar!

– Vamos ver… Mas o Flu ainda está na briga. Tenha fé!

Rimos e bridamos com nossos copos de plástico a cerveja que o Zequinha nos trouxe.

Que em 2015 o futebol carioca esteja melhor!