Quatro rodadas de sofrimento

Com a derrota de hoje para o modesto e aguerrido Brasil de Pelotas por 2 a 1, o Vasco ficou a 6 pontos do líder Atlético Goianiense e apenas 2 pontos à frente do Bahia e se o Avaí vencer o Paraná, ficaremos com o mesmo na nossa cola. Talvez nem o mais otimista torcedor cruzmaltino imaginasse que teríamos tamanha dificuldade justamente na reta final.

No jogo de hoje, mais uma vez o Vasco mostrou limitações que antes não estavam evidenciadas. Mas que com o cansaço dos jogadores mais velhos, apareceram com força, aliado a problemas extracampo. Não sabemos até onde esses fatores irão dificultar o acesso à Série A. Hoje, o Brasil de Pelotas dominou o primeiro tempo inteiro; nos primeiros 5 minutos teve 3 chances claras de gol. E seguiu dominando, até que aos 25 minutos não teve jeito: Felipe Oliveira, livre de marcação, acertou um chute do meio da rua. Martin Silva só olhou, Brasil 1 a 0. E o Brasil seguiu dominando amplamente. O Vasco não chutou uma bola a gol.

No segundo tempo, o Vasco voltou mais ligado e nos primeiros 10 minutos, jogou o que não jogou o primeiro tempo inteiro. Aos 11 minutos, Nenê fez boa jogada pela esquerda e serviu Douglas que tocou com categoria empatando: 1 a 1. Depois do empate, o Vasco seguiu dominando e criou chances para virar o placar com Nenê, Thales e Julio Cesar. Mas todas em chutes fracos. Depois dos 25 minutos, inexplicavelmente o Vasco voltou a diminuir o ritmo e o Brasil de Pelotas voltou ao jogo. E aos 40 minutos, Marcos Paraná recebeu em condição legal e chutou forte e cruzado sem chances para Martin Silva em falha de Julio Cesar e Rodrigo, decretando números finais: 2 a 1 Brasil de Pelotas. Muito complicado atualmente ver esse time do Vasco jogar. Atuação pavorosa, com exceção dos primeiros 20 minutos do segundo tempo. Até quando. Com exceção de Douglas Luiz, que fez o gol, o restante do time, além das limitações, parece que perdeu a gana de jogar também.

É difícil neste momento apontar as razões desse quadro atual que se mostra bem adverso ao outrora Gigante da Colina. Mas a briga interna que desune o clube, aliado a problemas físicos e um possível desinteresse dos jogadores possa estar a comprometer nesta reta final. Esperamos que no final de tudo, dos 4 últimos jogos, ganhemos 2 e subamos. E parabéns ao Atlético Goianiense, virtual campeão da Série B com todos os méritos; e cuja folha salarial é 5 vezes menor do que a nossa. Isso em parte explica o porquê dessas fortes emoções neste final de Série B para subirmos. Já era para termos subido há pelo menos umas 3 rodadas atrás. Pobre Vasco, sua imensa torcida bem feliz não merece um sofrimento tão atroz.