Peça a anulação, Campello

Perdi as contas de quantas vezes escrevi aqui neste espaço sobre o maldito VAR. Neste final de semana, estava trabalhando durante a partida Vasco x Flamengo. Consegui chegar no carro para ouvir os últimos de minutos, e, claro, ouvi o gol de Cano, que empatava o jogo. A reação do locutor (Penido e cia, CBN Brasília) foi de espanto com a anulação. O repórter, cujo nome infelizmente não tenho, foi irônico antes da marcação, ao falar que o Vascaíno não comemorasse, porque poderia ser anulado.

Todos já viram inúmeras vezes o lance, milimétrico, impossível de se afirmar impedimento ou não.

Regra atual do VAR, na página da CBF (atualizada em 16/07/2020)

Na página 20 do pdf, (e em outros vários pontos do documento) está escrito o seguinte:

A decisão do árbitro SÓ SERÁ ALTERADA se a revisão do vídeo mostrar um ERRO CLARO, ou seja, “não se a decisão foi correta”’, mas se “a decisão foi claramente errada”.  (Os trechos em caixa alta são do documento, e não interferência minha)

Podia passar aqui a tarde listando lances alterados neste campeonato nos quais não havia condição humana de se precisar que a decisão de campo foi errada. Mas vamos ficar só neste gol de Cano.

Ontem, o presidente da comissão de arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, afirmou em entrevista ao Seleção SporTV, que houve erro na utilização do árbitro de vídeo ao anular o gol de Luciano, do São Paulo, no primeiro tempo da partida contra o Atlético-MG, no Mineirão, dia 3 de setembro, pelo Brasileirão.

– Fizemos uma análise do lance. A linha realmente não é colocada (de forma correta). Há outros detalhes que temos na análise que a gente faz. Não adianta lutar contra a imagem. Claramente, a linha não está colocada de forma padrão. Não é erro da tecnologia. É um equívoco humano da colocação da linha de impedimento.

A reportagem completa no NetVasco

Ciente disso, o mínimo que eu espero de uma administração do Vasco da Gama é que solicite ao ST jD a anulação do jogo contra o Flamengo. Não importa se a solicitação será acolhida ou as consequências dela, mas é fundamental que a nossa instituição levante a voz contra esse absurdo que está destruindo o futebol. Não é possível que o Senhor Campello assista a mais esse tapa imoral na nossa cara, dentro de São Januário, e não reaja energicamente a essa vergonha.

Perder ou ganhar uma partida, é do jogo. Estamos, infelizmente, ficando acostumados a derrotas, principalmente para nosso rival. Mas sermos roubados dentro de São Januário, e ficarmos calados não é digno de nossa história.

Espero ainda por uma reação do Vasco, na pessoa de seu presidente. Caso contrário, eu espero firmemente que os Vascaínos levem isso em consideração daqui a um mês, quando das eleições.