Na minha opinião fica evidente que dar qualquer importância nesse campeonato é dar murro em ponta de faca. Não vejo chances do Vasco ser campeão mesmo se tivesse um time com Messi, Iniesta, Phillipi Coutinho e Cristiano Ronaldo.

Passou da hora de a oposição sentar, se unir e apresentar um nome forte para as eleições deste ano. Do contrário, vamos ter de aturar Eurico Miranda pelos próximos três anos, nos tornando mais antiquados e odiados.

Até a vovó viu que foi gol do Vasco. Menos o cegueta que tinha de ficar ali justamente para ver que foi gol… Isso fez com que eu mudasse de ideia: tecnologia e profissionalismo já, para acabar com a bandalheira no futebol.

No CCBB, Juninho Pernambucano.
No campo, o Vasco fez dois gols legais, limpos e honestos. A arbitragem se esqueceu de validar. Por coincidência, mais um erro crasso contra São Januário e a favor da Gávea e do sr. Bandeira de Mello, sempre a atestar a própria vergonha na cara.

Como pode um cidadão deixar de ver um lance cristalino a menos de cinco metros à sua frente? Não sei. Na minha opinião, não pode. Ponto. Mas há algo pior do que o “erro” do assitente do árbitro. É o comportamento vendido da imprensa, que busca legitimar qualquer coisa que se passe em campo.

Como jogador, Roberto foi inquestionável. Como presidente, justamente o contrário. Sairá, este ano, da história do clube levando algumas marcas absolutamente lamentáveis, como o fato de não ter conquistado (pelo menos até agora) nenhum Carioca e de ter participação ativa em um rebaixamento do clube, e passiva no outro.