Os Juniores escondidos

Fala-se muito das “divisões de base” dos clubes hoje em dia. Todo mundo sabe que um dos problemas dos clubes é o assédio aos melhores jogadores por empresários ainda antes de chegar ao time profissional. Exemplos são vários. Philipe Coutinho já tinha sido vendido anos antes de chegar aos profissionais. O atual é Danilo, convocado para seleções de juniores, e que apesar de pouco ter jogado pelo time principal, já tem data pra ir embora de São Januário.

Há cerca de 25 anos, o torcedor que frequentava o Maracanã (ou seja, muito mais gente que hoje) conhecia, por exemplo, Carlos Germano e Edmundo muito bem. Havia expectativa em vê-los logo no time de cima, porque todo mundo via o time de juniores jogar.

O time de juniores fazia a preliminar do jogo de fundo. A torcida chegava às 3 da tarde para ver a garotada jogar e conhecer os futuros craques do time de cima. Isso inclusive reduzia os tumultos no entorno do estádio, pois muita gente chegava cedo pra ver os juniores. Outros tantos chegavam no intervalo, pra assistir ao 2o tempo da preliminar. Mas o fato é que a existência de uma atração antes do jogo diluía a entrada dos torcedores no estádio. Ou seja, 150 mil pessoas não chegavam juntas para ver a partida principal. A grande maioria até chegava na hora sim, mas muita gente já estava acomodada vendo seu joguinho.

Hoje, o torcedor comum do Vasco (ou de qualquer grande clube do Rio) não conhece seu time de juniores. Sob os pretextos de que o gramado não aguenta dois jogos simultâneos e por causa do horário de duas horas da tarde, o time de juniores não atua mais antes do time principal, mas escondido em locais ermos e horários absurdos, fora das vistas da sua torcida. Então só uma meia duzia de abnegados acaba conhecendo o time, enquanto você, eu, não tem a menor ideia do que se passa ali. Notícias dos juniores? Só quando algum expoente do time é levado para algum Penapolense da vida.

Então, uma providência que acho importantíssima para acabar com a igrejinha de empresários na formação de nossos jogadores é expor o time à sua torcida. Quando todo mundo conhecer, e passara a cobrar a subida de determinados jogadores em posições carentes do time principal, a possibilidade de acontecerem essas negociações obscuras vai diminuir. Porque é muito mais fácil vender o Fulaninho, que pode ser um craque mas que ninguém conhece, que vender um Edmundo, já xodó da torcida mesmo antes de subir.

O problema é de solução simplória. Basta querer. Mas é claro que, se tomada, tal providências vai desagradar a muita gente. Tem muita grana circulando ali.

abraços

Zeh