O tamanho das torcidas…

Para evitar bobagens: as pesquisas de opinião e afirmação a respeito dos mais diversos temas são realizadas em todo o mundo, de modo que poderiam funcionar perfeitamente no Brasil, através de amostras cientificamente eficientes, não fosse por um pequeno detalhe.

Interesses ocultos ou claros.

É assim nas análises políticas, no marketing e agora, nos últimos tempos, caso do futebol.

Por exemplo, uma pesquisa servir para referendar tendências e a explicação de investimentos, caso da clara espanholização no esporte bretão.

Por aqui, não é possível realizar hoje uma série histórica de resultados que tenha desempenho científico comprovado. Motivo: todas as anteriormente realizadas foram por mais de um instituto, cada uma com método diferente. Equivale a pesar maçã, mamão e manga com preço de fruta de conde.

Natural em que num país do tamanho do Brasil, praticamente um continente, fazer esse tipo de investigação é algo bastante caro e que exige estrutura.

Ontem, o diário Lance divulgou seus dados, apurados pelo Instituto Datafolha.

Clubes                           Participação   Em milhões de torcedores   

1º – Flamengo                    16,2%                         32,5                                            

2º – Corinthians                  13,6%                         27,3                      

3º – São Paulo                     6,8%                           13,6                      

4º – Palmeiras                    5,3%                           10,6                        

5º – Vasco                           3,6%                            7,2                      

6º – Atlético-MG                  3,5%                           7,0                      

7º – Cruzeiro                       3,1%                           6,2                       

8º – Grêmio                         3,0 %                           6,0                       

9º – Internacional                2,8%                            5,6                      

10º – Santos                         2,4%                            4,8                      

11º – Fluminense                 1,8%                            3,6                       

12º – Bahia                           1,7%                           3,4                       

12º – Botafogo                      1,7%                         3,4                     

14º – Vitória                          1,3%                         2,6                      

15º – Atlético-PR                  1,2%                          2,4                       

16º – Sport Recife                  1,2%                        2,4                       

17º – Santa Cruz                    1,0 %                        2,0                      

18º – Ceará                           0,8%                          1,6

Chama enorme atenção o rol de disparidades apontadas nos dados. Sabe-se que uma das principais características de início dos pequenos torcedores nos estádios é por meio do ambiente familiar. Dificilmente um pai vascaíno vestirá seu bebê com as cores da Gávea, por exemplo. Nos anos 50 (início do Maracanã), o Vasco tinha a liderança da torcida carioca e até nacional. Seis décadas depois, ficou 4,5 vezes menor do que o rival rubro preto de acordo com os dados acima. Uma investigação a respeito poderia esclarecer o mistério. Talvez algum lunático possa dizer que milhões de torcedores “viraram casaca” no decorrer das décadas. Rirei.

Com todo respeito ao time do Morumbi, detentor de grandes conquistas no futebol brasileiro, é difícil intuir que tenha quase o dobro de torcedores do Vasco. São Januário tem historicamente fortes núcleos de torcida em vários lugares do país, especialmente no Nordeste. Mesmo com os anos mais difíceis do Vasco e os melhores do São Paulo, é importante lembrar que os torcedores já consagrados de décadas passadas, uma vez vivos, tendem a não ter mudado de time.

O Cruzeiro menor do que o Atlético hoje? O Atlético igual a Fluminense e Botafogo juntos hoje? O Atlético-PR maior do que o Santa Cruz hoje? A conferir.

Percebam: não estou utilizando números aqui. Não tenho uma pesquisa minha às mãos. Nem precisava.

A pesquisa teve concentração em São Paulo, com suas cidades compondo 29% do espaço amostral. Cerca de 40% dos bairros onde aconteceram as entrevistas dos torcedores ficam em municípios paulistas. Há quem diga, inclusive o diretor do Datafolha, que esse perfil não interfere nos dados por meio de ponderação. No entanto, parece claro que qualquer time entre os grandes do país tenha o grosso de sua torcida em seus arredores físicos. – Fulano, você torce para quem? – Flamengo? – Sabe dizer dois jogadores titulares de hoje? – Zico e Ronaldinho.

Reproduzindo o texto Lance! Ibope:

“A pesquisa LANCE! Ibope das maiores torcidas do país ganha relevância por sua abrangência. Além de ser realizada em todos os estados brasileiros, foram entrevistados mais de sete mil pessoas para o levantamento. Como comparação, pesquisas eleitorais de abrangência nacional são realizadas com cerca de três mil pessoas. Além disso, este estudo ganha relevância por ser realizada com jovens entre 10 e 15 anos, o que não ocorre em outras pesquisas. Dessa forma, o LANCE! Ibope indica as tendências de crescimento e queda das maiores torcidas do país. Nesta pesquisa foram ouvidas 7.005 pessoas. A margem de erro deste levantamento é de 1 ponto percentual para mais ou para menos. Essa pesquisa já foi realizada nos anos de 1998, 2001, 2004 e 2010. Os resultados desse levantamento serão publicados de hoje até o próximo domingo, 31, no LANCE! e no LANCE!Net.”

Algumas considerações

1)      Não é o tamanho dobrado da amostra em comparação aos procedimentos de pesquisa eleitoral que vai garantir a consistência dos dados, mas sim a eficiência de seus estratos.  Português barato: uma fatia de um bolo cortado, mesmo pequena, pode capturar todos os seus ingredientes. Um fatião horizontal de um metro de glacê, não;

2)      O que significa na prática dizer que jovens de 10 a 15 anos foram pesquisados? Convém ressaltar que a paixão pelo futebol encontra-se em torcedores cujas faixas etárias vão da infância até a extrema maturidade;

Alguns dados interessantes reproduzidos no excelente blog Teoria dos Jogos (convém lembrar que a metodologia das pesquisas é diferente):

1) Ranking de torcidas Placar 1993ranking torcidas 1998 revista placar

2) Instituto Gallup 1993

pesquisa lallup 19993

Olhando para os gráficos acima e a divulgação Lance!Ibope, a qual conclusão você poderia chegar a respeito do Vasco? Dobrou de tamanho ou perdeu torcida?

O resumo é de cada um.

Bem vindo ao mundo da ficção estatística.

@pauloandel

Bacharel em Estatística, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1994

4 Comments

Alexandre Chieregatti

Pois é, Paulo, sempre desconfio dessas pesquisas. O problema é que elas são usadas para investimentos de marketing, transmissão e outras coisas. Não me atrevo a discutir com um estatístico, mas parto do princípio de que um torcedor tem que ser no mínimo aquele que acompanha seu time diariamente, por isso entendo que uma pesquisa tenha que ter como pergunta número um é se você gosta e acompanha futebol diariamente. Tenho a impressão de que essas pesquisas partem do princípio de que se a pessoa é brasileira tem que ter time de futebol. Poderíamos ter pesquisas as mais diversas no mundo do torcedor de futebol. Por exemplo, pesquisas de gastos com futebol: camisas, bandeiras, ingressos, pay-per-view; sobre conhecimento de seu time: quem é o técnico e a escalação do time titular; daí poderiam apresentar diversos resultados, não apenas tamanho. Achei interessante a do nível de escolarização e condição financeira apresentada em pesquisa recente.

vanderlei quitete

mataram milhoes de vascainos em 10 anos por exemplo.vai ver que tivemos ebola em sao cristovaoe nao sabiamos………..

eloide santos da silva

Vi uma dessas pesquisas feita em 2009 em que a torcida do vasco era a terceira colocada.Essa pesquisa tinha sido feita nos 100 municipios mais populosos do Brasil.Procurei verificar quais eram esses municipios utilizando o Censo 2009 e 50 deles(podem pesquisar) eram do Estado de Sao Paulo.Agora vejam a distorçao dos dados da pesquisa;
Sao Paulo–habitantes=42 milhoes–cidades pesquisadas=50
Maranhao–habitantes=13,5 milhoes–cidades pesquisadas=2

Marcello rego

acreditar em pesquisas paulistas não dá . sao Paulo com quase dobro . palmeiras maior …. onde o vasco vai os aeroportos ficam cheios de torcedores ao contrário dos times de São Paulo que é pouco gente .

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *