O sentimento não pode parar, mas o bom futebol pode?

Confesso a vocês que estou desgostoso demais com o Vasco da Gama.

Particularmente estou com uma asfixia financeira que daria inveja a Dinamite e Assumpção (claro, levando-se em conta a situação dos respectivos clubes e não seus patrimônios pessoais), motivo que esse que aliado a presença vexatória na Série B não me anima a ponto de assistir pela TV e muito menos ir a São Januário.

Assumo que senti uma ponta de vontade de comparecer na Colina neste último sábado, porém me recuso fortemente a ir em algum jogo nesse sofrível ano.

Também não assisti ao vivo, levando em consideração que não estava afim de dormir.

Assisti ao tape do jogo e pude constatar que o ano será sofrível, não em relação ao acesso para a Série A do famigerado futebol brasileiro e sim à possível manutenção de um elenco fraco e envelhecido, treinado por um treinador que, apesar de novo, tem nas suas táticas esquemas mirabolantes provenientes dessa escassez de raciocínio dos treineiros, onde defender virou uma obsessão.

Vi um jogo sofrível, de um time limitado que não me inspira confiança e que, sinceramente, só irá retornar para a primeira divisão devido à fraca concorrência e o número de vagas para o acesso.
Ver Montoya no banco para o modesto Dakson é sofrível!!!

Depender do “maestro” Douglas Churrasco e seus gols de bola parada (quando acerta) é tenebroso. Até me rendo a sua habilidade, porém advinda de uma irregularidade ímpar, me lembrando em muito os apagões de Diego Slowza.

O que falar de Krebi Gradiadô? Quase chorei ao saber de sua contratação. Um jogador caríssimo e hiper valorizado, mais por sua “garra” do que pelos títulos e gols na carreira.

No jogo de sábado contra o bem armado e esgotado Ceará, não sofremos muito com gols de Douglas (que perdeu pênalti) e Krebi, porém mais uma vez um futebol opaco e insosso. São Januário, embora o burburinho político não mereça, estava lindo do lado de dentro.

Do lado de fora, movidos pelas pressões dos ex-presidentes, Eurico e Roberto Monteiro (Vasco da Gama e Força Jovem), marginais travestidos se confrontaram até serem contidos pela PMRJ. Sugiro à PM afastar os torcedores de bem e deixar sim esses vagabundos se digladiarem.

Graças ao bom Deus os campeonatos internacionais estão recomeçando, pois só quero saber mesmo de Vasco da Gama em 2015. Comentarei com vocês o pouco que eu vir e o que eu ler nos jornais e sites especializados. Embora ano que vem, com essa base montada, sinto que terei problemas cardíacos, já que imagino que os experientes Guinazu e Martin Silva (dos experientes, os únicos que vejo certa qualidade) já estão tendo.

Nos lemos em breve!!!