O sentimento não para

Há algum tempo, alguém me indagou:
– Como é que você consegue ter tanto sentimento assim pelo Vasco? Eu não entendo. Um povo que nem sabe que você existe…

cambara

Fiquei tentando achar a explicação, falei da história do Clube, do quanto desde pequena isso era vivido na minha casa, do quanto estar num estádio lotado e ver essa torcida maravilhosa me arrepia e me faz chorar. Mas no fim das contas, eu não achei a resposta em si. Porque não tem. Eu tenho tanto sentimento pelo Vasco, porque eu tenho muito sentimento em mim. A gente dá o que tem pra dar.

Sinto por um bicho que eu vejo na rua, sinto quando ouço a risada gostosa de uma criança ou a feição cansada mas feliz de um velhinho qualquer. Sinto amor, sinto saudade, sinto compaixão, sinto raiva, sinto desejo, sinto nojo, sinto medo, sinto orgulho. Eu SINTO. É assim que sou e é assim que continuarei sendo.

Todo sentimento que tenho pelo Vasco, não me impede de nada disso, sabe? Não é porque despejo amores por um clube de futebol que vai me faltar amor pra dar por aí. Não tem desperdício, porque posso transbordar à vontade que não vai ter escassez.

Eu nunca me arrependi de me dedicar ao Vasco. De dedicar tempo, de comprar qualquer coisa que carregue a cruz de malta, de acompanhar jogos, os piores, mais sofridos. De não abandoná-lo nem com a presença de bandidos lá dentro, porque a instituição Club de Regatas Vasco da Gama é maior, e eles passarão. O Vasco passarinho.

É mais fácil, e muito mais fácil, eu me arrepender de sentimentos que eu dei pra pessoas. Carne e osso, sabe? Gente que, ao contrário do Vasco, sabe muito bem que eu existo. Curiosamente, inclusive a quem me fez essa indagação. rs

“E quem não te conhece, me pergunta pq eu te segui: PORQUE EU TE AMO” /+/