O lado da questão.

Toda essa celeuma sobre o lado do Maracanã onde a torcida do Vasco deve se sentar quando enfrentar o Fluminense me fez pensar na questão e queria colocar aqui minha opinião para vocês.

Antes de tudo, acho que a raiz do problema foi gerada na administração Dinamite, quando não procurou o tal “consórcio” que hoje administra o Maracanã antes de todos para fechar um contrato de utilização do estádio. Deve ter utilizado São Januário como uma espécie de “muleta” e desprezado um estádio de renome mundial, onde conquistamos muitas de nossas glórias e onde cabe melhor nossa torcida gigantesca. O Fluminense foi mais rápido, firmou o tal contrato e, segundo os tricolores dizem, assegurou o disputadíssimo lado direito das cabines de rádio do Maraca.

Alguns vascaínos questionam porque o Flu, que fechou contrato antes dos demais, não escolheu o lado esquerdo. Ora, podemos rotular os tricolores, justa ou injustamente, de tudo, menos de pouco inteligentes. Qualquer membro da administração tricolor podia facilmente fazer uma leitura do cenário e perceber que provavelmente o Flamengo fecharia também um contrato com o Maracanã, e que Botafogo com o Engenhão, e o Vasco com São Januário (e um banana sentada na cadeira de presidente) iriam ratear para se acertarem com o consórcio. Para que então comprar uma briga onde provavelmente encontrariam forte resistência? Se enveredaram pelo caminho mais provável de lograr êxito. Vale lembrar que na ocasião a volta do Eurico – algo que com certeza seria levado em consideração pelos tricolores, ainda não era algo plausível, e a oposição que encontrariam no então mandatário vascaíno seria fraca – o que de fato veio a acontecer.

Nós nos baseamos em um direito que adquirimos no primeiro campeonato estadual disputado com o Maracanã quando nos tornamos campeões. Ou seja, para nós vascaínos, esse direito de ter um lado fixo no tradicional estádio é algo equivalente a um título… a um troféu! Mas além disso, apelo também para o bom senso de vocês. Não parece ser mais lógico que as duas maiores torcidas do estado tenham lugares fixos no Maracanã? Menos gente para trocar de lado e menos gente para cometer equívocos na hora de se sentar na sua torcida.

Os tricolores alegam ter o direito constante no contrato firmado com o consórcio. O consórcio confirma a informação. O poder concedente – o Estado do Rio de Janeiro, até onde eu sei, não se manifesta, de onde pode-se concluir ou pelo menos inferir que também concorda com a tese tricolor. A Federação de futebol do estado diz que, se comprovada a tese, dará ganho de causa ao Flu. Ora… Não seria então lógico que o Fluminense apenas faça o óbvio: mostre o contrato e dê um ponto final a isso. Mas ao invés disso, sob uma alegação risível de confidencialidade do contrato, não mostra a ninguém. Por que deve-se apenas acreditar na palavra do Fluminense? Seria de uma ingenuidade digna de nosso mandatário anterior…

Em recente artigo, o advogado e torcedor do Vasco Walter Brito Lima, apesar de se utilizar de adjetivações aos nossos adversários que não ajudam em nada o bom debate (pelo contrário – só atrapalham…), traz uma nova luz sobre o assunto e de maneira didática mostra que as regras impostas no processo licitatório estão sendo burladas. Ao final do texto, conclui o advogado: “Após a leitura do Edital da licitação, bem como, do contrato anexo ao Edital, fica claramente comprovado que, no caso do debate sobre o Direito do Club de Regatas Vasco da Gama ter sua torcida acomodada ao lado direito da tribuna de honra, o contrato válido, assinado entre consórcio Maracanã e Flu (que nunca foi apresentado), não obriga o Vasco, nem demais clubes, a aceitar o que ali ficou estipulado. Principalmente quando o que supostamente (até porque em verdade o referido contrato nunca foi apresentado) está estipulado é contrário ao costume, ao direito adquirido e representa obrigação a terceiro que não é parte do contrato. O Vasco da Gama está coberto de razão ao não aceitar tamanha imposição arbitrária!

(link do texto no Facebook: https://www.facebook.com/notes/identidade-vasco/as-mentiras-perpetradas-pelo-cons%C3%B3rcio-maracan%C3%A3-flamengo-e-fluminense/353775188147541)

Cá de minha ignorância em matéria de Direito, eu pergunto: ora, se nos sentimos tão prejudicados, e se tratando de quem se trata como nosso atual presidente – conhecido pela sua truculência, mas também pelo seu largo conhecimento nos meandros da Legislação, porque raios não tentamos garantir aquilo que achamos que é nosso por direito na Justiça?!?

E aí é que eu chego à minha conclusão particular…Não vejo resposta para as duas perguntas que eu acho centrais a este imbróglio: por que o Flu não mostra o contrato – o que em tese enfraqueceria nossa argumentação, e por que o nosso presidente já não procurou a justiça, baseado no que descreveu o advogado Walter Lima, o que aliás foi confirmado de forma oficial em uma nota emitida pelo Vasco?

E aí ficamos nós aqui, sem saber o que há de real nessa celeuma, discutindo com nossos amigos tricolores por algo que, numa boa? Hoje, neste atual estádio que, apesar de muito mais confortável, perdeu muito do seu glamour e mística, não faz a menor diferença em que lado vamos sentar.

Não perdemos para o Flu desde 2012, quando ainda jogávamos os clássicos no Engenhão. Jogamos contra eles em 4 oportunidades no Maracanã depois da reforma para a Copa do Mundo, vencendo duas e empatando as outras. Nestas oportunidades, nos instalamos no lado esquerdo da tribuna de honra.

Enfim… Vamos ver no que isso vai dar…

—–

Ontem, numa tarde de sol e chuva, vencemos bem o Bangu. O time começa a ganhar algum corpo e o Doriva aos poucos, vai formando aquilo que deverá será o time titular.

Para melhorar, parece que fechamos com o ex-cruzeirense Dagoberto. Se ele colocar na cabeça que essa é uma grande chance de voltar a mostrar o seu grande futebol, num time de poucos talentos onde ele pode sobressair, podemos ter esperanças de dias melhores.