O frango destruidor de Martin Silva

O Vasco vinha a fazer uma partida correta até o lance derradeiro de sua derrota ante o Grêmio, de virada por 2 a 1. O frangaço de Martin Silva na última bola foi, além da perda de um ponto importante na luta contra o Z4, uma verdadeira ducha de água fria em um time que, mesmo com a zaga reserva, com exceção da atuação, mais uma lamentável de Ramon, vinha segurando bem o bom time gremista.

O jogo não foi de grandes chances de gol. O Vasco teve menos posse de bola, porém bloqueou a maior parte das tramas ofensivas gremistas até o fatídico frango de Martin Silva. No primeiro tempo foram apenas duas chances para cada lado. Aos 9 minutos, chute do volante Michel e Ricardo Graça tirou em cima da linha. E no primeiro ataque aos 12 minutos, o Vasco marcou o seu gol: a jogada começa com Andrey, que toca para Thiago Galhardo que toca em Maxi López, que devolve magistralmente de calcanhar para Thiago Galhardo que toca por cima de Paulo Vítor, com muita categoria. Belo gol. Só que aos 19 minutos, o Grêmio empatou em um lance em uma impressionante facilidade que Leonardo Moura teve: ele conduziu a bola sem marcação alguma e driblou Marrony primeiro, depois driblou Ramon na ida e na volta e cruzou para Jael que subiu mais do que Luiz Gustavo e cabeceou para empatar o jogo. Aos 29 minutos, Thiago Galhardo chutou de longe rente ao travessão. E no primeiro tempo, não foi mais do que isso.

No segundo tempo, o Vasco atacou menos ainda e não chegou à área gremista. O Grêmio a rigor só teve 2 chances aos 25 e 31 minutos: uma com Éverton em que Alisson chutou e Luiz Gustavo rebateu e na volta e Éverton chutou para defesa de Martin Silva. No entanto, nos acréscimos, aos 49 minutos, o gol decisivo: Mateus Henrique dribla Andrey e chuta de longe; um chute despretensioso e Martin Silva, ao tentar amortecer uma bola fácil, deixa a bola escapar entre seus braços, de forma inexplicável. Bizarro. E o Vasco sai derrotado.

O que se espera é que não aconteça o pior. Agora é derrotar o CAP na quarta feira. A derrota hoje era esperada, ainda que tenha sido dura, da maneira que foi. Mas já foi e temos que ir em frente. Agora é derrotar o CAP e arrancar um empate com os gambás para chegarmos a 42 pontos e encaminharmos nossa permanência na Série A.