O “fator Nenê”.

Eu não sei vocês, mas para mim foi a pior partida do Vasco em 2016.

Para vocês terem uma ideia, o Vasco deu apenas  dois chutes a gol em todo o primeiro tempo – o Botafogo deu dez!

E o primeiro chute, aos 25 minutos, exatamente o do nosso gol da vitória.

Tirando as boas atuações de Andrezinho e de Marcelo Mattos (e também do Jordi, que não comprometeu), o resto do time esteve muito mal.

O Botafogo jogou bem melhor, teve o domínio das ações em praticamente toda a partida, mandou bola na trave, teve um pênalti claro ignorado pelo árbitro e um gol anulado em um impedimento que, apesar de bem marcado, convenhamos… Só se o bandeirinha tivesse uma visão super-humana para enxergar os 2 ou 3 milímetros do joelho do atacante botafoguense à frente do último marcador…

E mesmo assim, vencemos…

A explicação? O “fator Nenê”. O craque faz a diferença. Bastam alguns segundos… Uma pequena desatenção do ótimo esquema defensivo alvinegro (melhor defesa do campeonato até agora), e o craque faz o que ninguém imagina. Um passe de primeira para o Thalles fazer o que se espera dele: explosão em direção ao gol e o arremate certeiro, no cantinho… Indefensável!

O Botafogo hoje deu uma aula de como anular o nosso bem armado esquema. A posse de bola, que tem nos sido a maior arma –  a paciência em ficar trocando passes entre a defesa e o meio campo até que uma brecha, uma desatenção apareça no sistema defensivo do adversário, hoje foi bem anulada com a marcação alta do time alvinegro. Marcou muito bem nossa saída de bola e, diferentemente de nossos outros jogos, demos muitos “chutões” e recorremos muitas e muitas vezes à famosa “ligação direta”, o que na grande maioria das vezes era anulada pela defesa do adversário.

Podemos dizer que a sorte nos sorriu hoje. Não a sorte de termos um gol num tempo em que fomos completamente dominados, mas sim a sorte de termos entre os nossos jogadores um cara diferenciado.

Obrigado Nenê!

Quarta-feira que vem pegamos nosso maior rival na terra do Zeh Catalano (Brasília).

Eles vem de resultados negativos seguidos e nós estamos numa situação bem melhor.

Tudo indica que a “freguesia” será mantida… Mas meus anos de arquibancada me ensinaram que cada clássico é um jogo único. Cansamos de ver times piores agigantarem-se somente com a motivação de vencer o rival mais forte.

Que confirmemos o nosso favoritismo indo para cima deles!

Que não caiamos na besteira de ficarmos jogando no erro deles, “plantadinhos”, aguentando a pressão e tentando os contra-ataques, já que até mesmo uma derrota, em termos de tabela, pouco significaria.

Sem essa de ressuscitar o combalido Urubu. O domingo de Páscoa foi hoje e afundá-los mais ainda só nos alegraria mais.

Oito mil pessoas assistiram o “Clássico da Amizade” hoje…

Pouco. MUITO pouco…

Eu sei que a TV aberta transmitiu, que fez um Sol do jeito que o carioca adora, que era domingo de Páscoa, que o ingresso estava muito caro, que o jogo foi muito cedo, que a organização do campeonato só dá motivos para esvaziamento dos jogos, que a torcida do Botafogo é pequenininha, que…

Bem… Até que oito mil pessoas nem foi tão ruim assim…

E os vascaínos já podem associar-se ao novo plano de sócios do Vasco.

Para aqueles que como eu, já são sócios proprietários ou sócios gerais, e que ainda não receberam o e-mail com as instruções para acesso ao novo plano de sócios (para obter as vantagens oferecidas e solicitar a emissão da nova carteirinha), a dica é entrar no sítio abaixo e informar que esqueceu a senha. Vão pedir o seu CPF e em seguida encaminhar um e-mail com o login e a senha para o acesso.

http://www.sociotorcedorgigante.com

E para quem não é sócio, mesmo não tendo a melhor de todas as vantagens que seria o direito de votar, vale a pena pela ajuda que estará dando ao clube e o retorno que os planos oferecem.

Capturar