O desgoverno cruzmaltino

Era uma partida fundamental para a recuperação da equipe cruzmaltina, se transformou em uma tragédia. Mais uma vez, nos erros costumeiros de nossa defesa, o Vitória da Bahia soube se aproveitar bem de nossos descuidos e venceu por 3 a 2.  Esses 3 pontos farão falta lá na frente. Com esse momento adverso no campo somado aos problemas fora dele visivelmente uma bomba relógio está prestes a explodir a qualquer momento na Colina Histórica.

O Vasco dominou a maior parte do jogo.  No entanto, esbarramos no excelente goleiro Caíque, o melhor jogador da partida.  Fez várias defesas importantes ao longo do jogo.  No primeiro tempo, o Vasco começou em cima, com um chute de Pikachu rente à trave.  Mas aos 17 começaria o nosso calvário: Martin Silva sai jogando com Breno e este entrega a bola para Desabato que recua errado; Neilton se aproveita, divide com Martin Silva e a bola sobra para André Lima apenas completar e abrir o placar. Como sempre, o Vasco sai atrás no placar.  E após o gol, o Vasco imprensa o time baiano em seu campo, tentando criar as chances.  Até que aos 37, Wagner escapa pela esquerda  e é derrubado por Rhayner. Pênalti.  Andrés Rios cobra e Caíque defende; só que o mesmo, rebateu e acabou derrubando Caio Monteiro que tentava pegar o rebote. Outro pênalti.  Dessa vez Pikachu cobra e empata o jogo.  E termina o primeiro tempo.

No segundo tempo, começou com o Vitória marcando mais forte. O Vasco já não tinha a liberdade de antes. Mas aos poucos, a gente consegue sair da marcação do time baiano e aos 13 minutos, em uma boa troca de passes,Rafael Galhardo chuta para boa defesa de Caíque. Pouco depois aos 18, em outra boa jogada, Pikachu solta a bomba para outra boa defesa de Caíque. Só que quem não faz toma. E aos 27 minutos, Galhardo erra o passe no ataque e o Vitória arma um contra-ataque mortal em suas costas. Bola lançada na ponta esquerda em velocidade para Lucas Fernandes que toca por cima de Martin Silva; a bola ainda desvia em Desabato e entra. Uma verdadeira ducha gelada na equipe cruzmaltina. E para completar, 5 minutos depois, escanteio cobrado da direita e Werley disputa a bola com Kanu e faz….contra.  Com 3 a 1 contra e com pouco mais de 10 minutos para acabar a partida, o que fazer ? Aos 37 minutos, ainda houve uma jogada de Kelvin e Andrés Rios fez o segundo gol cruzmaltino, mas já era tarde demais para se evitar o desastre.

Essa derrota para o Vitória da Bahia não poderia ocorrer em pior hora. A real é a seguinte: nosso time é limitado e o elenco é fraco. A rigor, o Vitória está no mesmo barco que a gente; ou seja, lutar para não cair ? Exagero ? Observem os últimos acontecimentos fora de campo.  Ainda temos a presença de Eurico Miranda nos bastidores e aliado a outros membros da política cruzmaltina.  O Vasco só sobrevive ainda porque é muito grande.  Mas se nada for feito para impedir o desgoverno que há 18 anos nos assombra, um dia só sobrará a imagem de um clube outrora gigante na parede. Como dói, dizia o ilustre poeta cruzmaltino Carlos Drummond de Andrade.