Nada mudou

O primeiro jogo do Vasco no Campeonato Carioca foi uma prova para as outras torcidas de que o nome de “Euricão” não tem o menor fundamento. Para ser sincero, nada no futebol carioca mudou nos últimos anos mesmo com o Bi Carioca para a Colina. Vamos por partes:

– O Maracanã continua fechado e sem previsão de reabrir.
– O Engenhão ainda “incompleto”. (Banheiros sem luz e Setores Norte e Sul fechados)
– Cristóvão como técnico.
– Nenê, Rodrigo, Eder Luiz e Andrezinho como as forças em quem devemos confiar.
– Martin Silva como Salvador da Pátria.

Há como garantir que a derrota acachapante por 3 x 0 para o Fluminense seja um anúncio de retorno para a Série B em 2018? Se levarmos em conta o desespero final em 2016 e se nada realmente mudar até a oitava rodada do Brasileirão, mais ou menos. Há uma grande chance de acontecer. Principalmente se mantivermos a dependência dos veteranos e a mentalidade técnica que já passou por três dos principais times cariocas e que nada acrescentou e nem ganhou até o momento.

A torcida fez a sua parte. Mesmo com o jogo passando na TV, com ingressos de meia a R$ 25,00, um sol de 40 graus na cabeça, tivemos muito mais gente do nosso lado para gritar, esbravejar e torcer. E sentar-se com senhores que carregam a Cruz de Malta há pelo menos 10 anos além da minha própria idade (que já não é pouca). As saudades de tempos de orgulho e glória que parecem cada vez mais distantes são prova de que não basta trocar um Dinamite por um Eurico. Esse vai-e-volta nada acrescenta.

Dá dó ver o Andrezinho pegar a bola e voltar pro começo da jogada. Dá raiva ver que, mesmo depois de dois anos com o mesmo time,  ainda se não consegue fazer a ligação para o ataque. Dá pena ver o Martin Silva se desgastar logo no começo da temporada. Dói na cabeça e no coração perceber que o futuro é incerto, mas algo tem de ser feito e agora.

Podem dizer que é um pensamento pessimista e precipitado. Sim e não. É precipitado porque em muitos campeonatos, os favoritos dançam. Vide a nossa derrocada dos últimos anos, que nos prova o contrário.

É hora de abrir o olho. Já.

Senão teremos como trilha sonora a música de um ícone do pop-rock dos anos 80, torcedor do time da Gávea, nos zoando, cantando:

“Ow, ow, ow. Nada mudou.”