Muita transpiração e pouca inspiração.

Numa partida em que disposição e vontade não faltaram aos jogadores vascaínos, faltou qualidade. Na base da vontade, foram criadas muitas oportunidades, mas faltou inspiração para vencer o excelente goleiro gremista.

Um primeiro tempo em que iniciamos “a mil por hora”, logo o Grêmio igualou as ações e valendo-se da “avenida” Christiano, criou mais situações de gol que o Vasco. No fim, acertamos a marcação e novamente rondamos a área gremista, mas mais uma vez pecamos nas conclusões.

Veio o segundo tempo e novamente na base da disposição, perdemos oportunidades claras e novamente o Grêmio igualou as ações e fez o nosso goleiro trabalhar muito e bem.

No fim o empate sem gols não traduziu o que foi a partida pela quantidade de gols perdidos de ambas as equipes.

O que acontece com o nosso centroavante Leandrão? Por sua constituição física dá até para entender que ele não seja um jogador de explosão ou de velocidade, mas que ele não saiba fazer o pivô ou que raramente ele consiga vencer uma disputa de cabeça eu realmente não entendo.

Ao menos nessa partida, o árbitro passou quase despercebido… Quase porque em um lance ainda no primeiro tempo, o defensor gremista quase arrancou a cabeça do Madson e deveria no mínimo tomar um cartão amarelo (o que representaria a sua expulsão já que seria o segundo), mas nem falta “sua senhoria” marcou.

Há coisas que só percebo na torcida do Vasco e que eu não entendo. Ok: o Júlio dos Santos não é nem de longe um Juninho Pernambucano, mas por que vaiá-lo antes mesmo do início do jogo quando a escalação ainda era anunciada nos placares?

Não acho que ele tenha jogado tão bem… E nem acho que ele tenha jogado tão mal que merecesse tamanha rejeição e reação da nossa torcida.

Agora o que não compreendo é o que Diguinho faz no Vasco?

Nenê visivelmente é nosso melhor jogador na atualidade. Que o “dotô” faça de tudo para mantê-lo no ano que vem!

O que dizer mais sobre o Christiano…? Acho que quase todos presentes no Maracanã hoje se surpreenderam com sua escalação. Depois soube que o Júlio César (que também não é “essa Brastemp”…) “travou” a coluna no aquecimento… Está feia a coisa…

Olhem… Torcer eu torcerei pelo Vasco até o último suspiro da minha vida. Como diz nossa querida Carol Sousa, sempre ao seu lado incondicionalmente.

Mas acreditar…

Agora são apenas 6 rodadas, com jogos dificílimos e uma diferença de 4 pontos a retirar.

Possível, mas muito… MUITO difícil.

Olhando as últimas rodadas dá uma tremenda “dor de corno” com o que vem acontecendo. Nas últimas quatro rodadas em que não passamos de empates, nossos concorrentes diretos praticamente não andaram. Todos nos “ajudaram”, menos nós mesmos…

Nosso rendimento no segundo turno nem está tão ruim assim. Estaríamos em 12º lugar com 17 pontos, 5 pontos acima do primeiro time na zona de rebaixamento (Goiás com 12 pontos) e a 8 pontos do G4 (Internacional com 25 pontos).

O problema é o nosso passivo…

E para fechar essa coluna de hoje, para minha surpresa (e de todos que estava presentes nessa região da arquibancada no Maracanã), vejam na foto abaixo quem estava torcendo pelo Vasco…

IMG_8962

Para quem não identificou, era o Fred – atacante tricolor!!! 🙂

(claro que não era ele, mas sim um cara parecidíssimo!!!)

Foto de capa: André Durão – GloboEsporte.com)