Estamos evoluindo…?

Mais um empate… Mais um jogo sem gols… E novamente contra um time de menor expressão… Explicações? Várias! É só ler o que escrevem por aí…

Mas eu quero dar um enfoque diferente. Depois da vitória que nos deu o título, tivemos uma atuação sofrível contra o Goiás – praticamente não criamos nada. Veio o primeiro jogo contra o Cuiabá e outra atuação decepcionante… Dessa vez contra um clube da série C, que é no máximo esforçado. Foi preciso mais uma vez a tal “bola parada” nos salvar na última volta do cronômetro…

Acredito que esses dois primeiros jogos pós título ainda foram disputados sob uma certa ressaca da conquista.

Pegamos o Figueirense e fizemos um excelente primeiro tempo e perdemos um caminhão de gols. No segundo tempo cansamos e aí veio o nosso principal problema: falta de banco.

No jogo de hoje, criamos inúmeras chances de gol e chegamos a perder um pênalti (bisonhamente batido pelo Luan…).

Eu sei que muitos não concordam, mais eu vi alguma evolução nos jogos depois do título. Não estou dizendo que estamos evoluindo a partir do que apresentamos no campeonato carioca. Para o nível (baixo) do campeonato carioca, o que jogamos, deu muito bem para o gasto. E estamos longe de ser um time que nos dê qualquer esperança de briga por alguma coisa mais séria, mas eu discordo frontalmente (pelo menos por agora…) de que iremos brigar para não cair.

Nas duas últimas partidas, em que pese as finalizações ruins, criamos muito (vide o primeiro tempo contra o Figueirense e o jogo de hoje contra o Cuiabá), com isso buscamos não depender tanto das bolas paradas e nossa defesa continua sólida.

Precisamos melhorar as finalizações. Precisamos “matar” quando a chance surgir. Precisamos fazer gols.

Um bom teste será o próximo jogo: pegamos o Internacional. Um time melhor que o nosso, mas que deve vir ao Rio com um equipe mista por conta de sua participação na Libertadores. Assim eu espero…

—————————————–

Fora esse jogo chatíssimo de hoje, o noticiário sobre o Vasco nessa semana foi movimentado.

Tivemos nosso presidente “bravatando” como de costume, mas passando um recado com o qual eu concordo totalmente.

Como escrevi na minha última coluna, jogador nenhum que veste a camisa do Vasco pode falar ao microfone, na segunda rodada – ou seja, faltam 36 rodadas, que o Vasco não vai disputar título. Ele tem todo o direito do mundo de achar isso. Nós, torcedores, também temos. Até os torcedores de nossos rivais também tem. Mas ele, profissional pago para procurar a vitória sempre, não pode nunca externar isso.

O problema é a forma como o atual mandatário do Vasco passa esse recado. Sempre puxando para si os holofotes. Sempre exacerbando o seu ego enorme. Sempre tomando para si o clube que não é seu.

Enfim… Concordo com o conteúdo ou com a ideia da mensagem passada pelo Eurico, mas discordo frontalmente da forma como foi feito.

———————————————

Outra notícia que povoou o nosso noticiário foi a tal renúncia ou o perdão da dívida que a Justiça já tinha determinado que o Eurico tinha com o clube.

Isso não era novidade alguma, e desde confirmada a sua eleição, era uma questão de tempo que isso acontecesse, infelizmente.

Para mim, está claro que o clube não deve responder solidariamente pelas declarações irresponsáveis de seu mandatário.

Mas o que me surpreendeu foi a atitude tomada pelos 30 conselheiros da oposição que foram eleitos exatamente para isso: se oporem.

Por mais que haja alguma estratégia por trás dessa atitude (e eu sinceramente não consigo imaginar qual é…), não comparecer à reunião do Conselho Deliberativo foi algo que eu não consigo compreender e que beira a covardia.

É óbvio que na prática, o resultado não seria alterado, mas isso até os ladrilhos mais antigos de São Januário sabem. O problema reside no fato de que os sócios (como eu…) que votaram na oposição simplesmente ficaram sem representação na reunião.

A oposição estatutariamente ganha 30 cadeiras, minoria portanto, no Conselho justamente para se opor. Para fiscalizar, denunciar, espernear, alertar aos sócios, divulgar o que acontece nas reuniões e até concordar, se for o caso de algo que julgue bom para o clube.

Eles não foram eleitos para infantilmente não comparecerem numa votação em que sabem que vão ser derrotados. Ora… São minoria!!! Na maioria das vezes serão derrotados! E daí?!?! Vá lá, peça a palavra, exponha os motivos e proponha soluções, mesmo que essa seja uma luta inglória.

Foi para isso que vocês foram eleitos. Foi para isso que eu votei em vocês e dei uma procuração para que vocês me representassem.

Bola fora. Foríssima!

—————————————————

Não posso deixar de registrar: amanhã fará um ano desde que eu publiquei a minha primeira coluna por aqui.

Gostaria muito de agradecer ao Zeh Catalano que apostou nas minhas palavras e abriu o espaço para eu poder escrever sobre a minha paixão.

Mas eu quero muito agradecer a você, leitor amigo. Aproveito para renovar o meu compromisso de escrever da melhor maneira que eu possa, tentando de alguma foram entretê-lo, e me colocando inteiramente a seu dispor para conversarmos sobre o Vasco da Gama.

Muito obrigado!!