Entrevista com os candidatos à presidência do Vasco da Gama – parte 4

Além das perguntas comuns a todos eles publicadas até aqui, fizemos também algumas perguntas individuais.

Perguntas ao candidato Alexandre Campello:

1- Circula por São Januário a informação de que o Senhor torceria para o Flamengo. Procede? O que o Senhor tem a dizer sobre isso?

 Isso é uma grande bobagem. Na verdade, essa informação não circula por São Januário, e sim entre os que se sentem ameaçados por mim. Se fosse verdade, acha que já não teria aparecido alguma foto minha com a camisa do rival?? Nem uma montagem foram capazes de fazer (risos). Sou descendente de português, vascaínos desde sempre, e muito orgulhoso por ter transmitido essa paixão para os meus filhos também.

2- Na sua opinião há alguma chance de as oposições se unirem formando uma chapa única? Por que não compareceu ao encontro marcado pelas demais candidaturas para tratar desse assunto? O Senhor abriria mão de sua candidatura para outra que julgasse com mais chance de vencer a situação?

Duas coisas são importante ser frisadas. Estamos atentos vendo os diversos apelos de união na fan page da Frente Vasco Livre, encaramos esses apelos com seriedade e responsabilidade. Vamos conversar com todos os grupos na bilateralidade para alcançar esse objetivo. É um compromisso da Frente Vasco Livre.

Outra coisa que é importante frisar que somos o grupo que primeiro trabalhou pela união da oposição. Basta ver que a Frente Vasco Livre reúne sete destas correntes: Identidade Vascaína, Cruzada Vascaína, Pro Vasco, Vira Vasco, Desenvolve Vasco, Time da Virada e Imortais. Pretendemos continuar conversando com todos os outros grupos no sentido de unificar. Dizem que somos contra pesquisa para definir um candidato, o que não é verdade. A questão é que pesquisa não é algo simples de ser feito. A pesquisa tem sempre o problema da margem de erro que se baseia em hipóteses nem sempre verificáveis pelo público. O cadastro do Vasco também não contribui para a seleção de amostra, uma vez que muitos sócios remidos não foram recadastrados em 2014.

Na última reunião colocamos a possibilidade de fazer uma Convenção como se fosse um primeiro turno da Oposição Vascaína, como alternativa a pesquisa. A Convenção atinge o foco que é da oposição e a pesquisa já parte de um propósito declarado que ela pode ser usada por eleitores da situação para distorcer o resultado.

Entendemos que a convenção apresenta algumas vantagens em relação a pesquisa. A convenção captura o grau de engajamento do eleitor que é uma variável fundamental nas eleições. A convenção é um grande evento publicitário para a oposição. A convenção oferece uma plataforma para que o eleitor conheça com mais exatidão as propostas e as diferenças entre os candidatos. E a convenção garante o Voto Secreto a pesquisa não.

Uma coisa importante deve ser ressaltada, tanto a pesquisa quanto a convenção precisam da lista nominal de sócios eleitores atualizada para o próximo triênio. O momento agora é para os candidatos apresentarem as suas propostas para a comunidade vascaína e tentarem definir essas regras para a unificação.

3- Alguns sócios reclamam sobre o fato de figurarem na sua candidatura pessoas que já compuseram a diretoria na administração de Roberto Dinamite. O que o Senhor tem a dizer sobre isso?

O fato de uma ou outra pessoa ter participado de uma gestão que em algum momento não foi eficaz não significa que as pessoas não tenham qualidade. O grupo que vai entrar e ocupar esse espaço é um grupo completamente diferente, a começar pela presidência. Nesse momento o que Vasco mais precisa é de união.  O Vasco operou muitos anos à meia força devido a brigas políticas. Para ter um Vasco unido é preciso superar as diferenças de quem um dia foi Dinamite e de um dia quem foi Eurico também. Isso é colocar o Vasco em primeiro lugar. Queremos essa união em torno de um projeto moderno de gestão que estamos construindo e convidamos todos a participar e conhecer. Temos caras novas, profissionais gabaritados em suas respectivas áreas de atuação no mercado. Todos com muita vontade de ajudar o Vasco a chegar, enfim, ao século XXI.

4- Qual recado gostaria de dar aos sócios votantes nesse momento?

Os sócios são inteligentes e já perceberam que o tal respeito foi uma grande bravata do atual presidente. O Vasco hoje, infelizmente, tem uma administração ultrapassada em todos os aspectos. Não estou aqui prometendo milagres. O que o Vasco precisa é de proposta e trabalho, que é o que estamos fazendo. Nos reunimos três, quatro vezes por semana, criando grupos, buscando quem possa trabalhar nesse ou naquele núcleo, quer seja no marketing, quer seja na gestão, na área jurídica, no esporte olímpico e amador. O Vasco precisa todos os vascaínos e de muito trabalho, e não de uma pessoa ou de dois ou três que acham que vão resolver. O Vasco tem solução e tem pressa. É hora de mudar!

Perguntas ao candidato Otto de Carvalho:

1- Causou espanto o seu rompimento com o grupo do atual presidente do clube, movimento aliás que vimos com outros dirigentes (por exemplo: “Zé dos Táxis”, Paulo Reis, etc.). Quando e por que o Senhor rompeu com a situação?

O caos da administração do Dinamite trouxe o Eurico de volta para o Vasco. Ocorre que nessa volta o Eurico se comprometeu comigo e outros que faria uma gestão diferente. Ouviria mais seus vice presidentes, teria mais transparência na gestão, entre outras promessas. No entanto a história mudou logo que ele entrou.

Hoje represento um poder independente do Clube e tenho condições de fazer alguma coisa. Como vascaíno tenho a obrigação de defender o Clube. A minha lealdade não é a nenhuma pessoa específica, ela é devida ao clube. Algumas pessoas dentro do Vasco confundem lealdade com submissão. Muita gente dentro do Vasco está altamente insatisfeito com a gestão do atual presidente, mas por medo ou falta de coragem não conseguem sair de onde estão. Nas costas do Eurico falam mal o tempo todo, mas na frente não conseguem manter a posição.

Hoje estou brigando por eleições limpas e mesmo que não ganhe as eleições, estarei com minha consciência tranquila de que dei o meu melhor para o Clube. Nesses 50 anos de sócio do Vasco me orgulha muito estar ajudando o Vasco nesse processo eleitoral histórico.

2- Algumas pessoas alegam que o Senhor na verdade é uma “jogada” do atual presidente para dividir os votos da oposição, e que na verdade seria parte da situação. O que o Senhor tem a dizer sobre isso?

Realmente não tenho muito a falar. Tomei uma posição de muita coragem, pois recebo críticas do pessoal da situação e da oposição. Quero deixar bem claro que sou Vasco e acho um absurdo esse apartheid dentro do clube.

Quem diz uma coisa dessa não pode conhecer o Clube. Minha única intenção é dormir com minha consciência tranquila que fiz o que achei melhor para o clube. Estou brigando muito por eleições limpas e mais ainda pela união da oposição. Se eleito, minha prioridade será unir o Vasco.

3- Outras pessoas o acusam de, na sua atuação como Presidente Conselho Fiscal, ser totalmente alinhado à situação. O que o Senhor tem a dizer sobre isso?

Como falei anteriormente, o Eurico prometeu algumas coisas que não foram cumpridas. No primeiro ano votamos a conta da gestão do Roberto de 2014 com a promessa de que as coisas melhorariam para o próximo exercício e que o Vasco precisaria estar com as contas aprovadas para entrar no PROFUT e estar apto a receber o dinheiro da CBC. Em 2015 as promessas continuaram e foi dado mais um voto de confiança, pois havia a desculpa de que o clube foi encontrado de maneira deplorável (e foi mesmo).

Agora a situação é diferente porque todas as promessas se esgotaram e não existem mais desculpas para este balanço apresentado de 2016. O meu parecer das contas esclarecerá qualquer dúvida neste sentido.

4- Qual recado gostaria de dar aos sócios votantes nesse momento?

O Vasco precisa de união. Não é só união da oposição para vencer a eleição. Precisamos unir o Vasco. A união só acontece por vontade política dos seus gestores. Não adianta fazer promessas que não serão cumpridas nem vender sonhos ou intenção. Prometo trabalho, transparência, decisões colegiadas, participação dos sócios e muita vontade de mudar o Vasco. O Vasco precisa do vascaíno. O momento é calamitoso e somente uma mudança com responsabilidade é capaz de salvar o Vasco. Convido a todos a vir nos conhecer e deixo aqui meu canal aberto a todos. O Vasco Tem Jeito. Ao Vasco Tudo!

Perguntas ao candidato Julio Brant:

1- Algumas pessoas alegam que nunca o viram no clube, que o Senhor só apareceu agora na vida política do clube. O que o Senhor tem a dizer sobre isso?

Até 2014 eu era um sócio anônimo, ia aos jogos e como milhares, não era percebido, era mais um torcedor na multidão. Por isso dizem que não me viam em São Januário. Somos mais de 20 milhões de torcedores, São Januário cabe 20 mil, será que todos reconhecem os frequentadores do estádio? Na social e na arquibancada? Nunca fiz parte de nenhuma administração do clube, por isso esse anonimato também.

2- Outras pessoas alegam que o Senhor, apesar de declarar que aceitaria abrir mão de sua candidatura em favor de outro com mais chances de vencer a eleição, na verdade não o faria por conta de dever favores ao Senhor Olavo Monteiro de Carvalho, porque o mesmo haveria lhe arranjado um emprego. O que o Senhor tem a dizer sobre isso?

(RISOS) Qual a relação de uma coisa com outra? Por que o Olavo teria interesse na minha candidatura? Isso é totalmente descabido. Não trabalhei em nenhuma das empresas do Olavo ou de sua família e nunca fui indicado por ele para cargo algum. Para deixar claro: caso nossa chapa não se mostre viável, retiramos a candidatura para que o melhor nome vença. O Vasco em primeiro lugar. E seguiremos a disposição do grupo que tiver mais chance, se precisarem de nós, de nossos projetos, contatos é só chamar. Não queremos atrapalhar ninguém. Essa foi a grande lição da última eleição: se manter dividindo a oposição, com nenhuma chance de vitória, atende aos interesses da situação. Abriremos mão, sem pedir NADA em troca, cargo algum, nenhuma contrapartida. Vasco acima de tudo. Se nos convidarem, ótimo, ajudaremos.

3- Qual é o seu relacionamento com o ex-jogador Edmundo? Haverá algum papel para ele na sua administração?

Temos um ótimo relacionamento. O Edmundo é uma pessoa sensacional, um vascaíno como nós, até mais emotivo que muitos imaginam. Ele quer o bem do Vasco. Hoje, ele tem um contrato com a Fox, mas quem não gostaria de ter uma pessoa com portas abertas e conhecimento de futebol que o Edmundo tem? Na final da Champions League ex-jogadores, torcedores, de vários lugares do mundo foram falar com Edmundo, ele é um cara que pode e quer ajudar o Vasco em vários aspectos. Se puder e quiser, será uma honra tê-lo no grupo de gestão de futebol.

4- Qual recado gostaria de dar aos sócios votantes nesse momento?

Que o sócio vá votar, pense no Vasco, num clube que deseja para os seus filhos, para sua família. Reflita sobre os últimos 16 anos do Vasco e se querem continuar assim. A renovação é necessária, o Vasco precisa voltar a ser protagonista de forma positiva e vamos recuperar isso. E aos não sócios, participem da politica do Vasco, se engajem, divulguem nossas ideias, participem dos eventos, mandem suas ideias e projetos, vamos reconstruir o Vasco juntos! Queremos um Vasco forte e respeitado.