E segue a inglória luta…

Infelizmente, o Vasco não aprendeu e pelo visto dificilmente aprenderá a lutar por uma permanência em Série A. O Vasco fica completamente atabalhoado nessas situações. Veja o Ceará, que é o melhor exemplo: ficou 26 rodadas no Z4 e agora está em 15º, uma posição acima da nossa. O nosso clube não aprende com os erros. Já foram 3 rebaixamentos, os mesmos erros. Até quando insistiremos nisso ? O que Palmeiras, Corinthians, Fluminense, Grêmio e Internacional de Porto Alegre aprenderam é que, após uma queda, é preciso se organizarem dentro e fora de campo e procurar montar equipes, senão excelentes, ao menos competitivas. E ano após ano, em 18 anos, o Vasco não aprendeu que, para evitar lutas para não cair, é preciso montar equipes, exatamente para sequer se aproximar de um Z4.

Quanto a ontem, empatamos com o lanterna da competição, o Paraná, em 1 a 1. Um jogo em que tínhamos OBRIGAÇÃO. Isto mesmo, obrigação de VENCER. Claudinei Oliveira mudou meio time paranista. E com os que entraram, o Paraná foi um time dedicado e corremos risco de sermos derrotados. É incrível como o Vasco tem o dom de querer complicar missões aparentemente fáceis. Logo no início, em que começamos em cima, mas não chutamos uma bola em gol, eles é que marcaram primeiro aos 8 minutos, no primeiro ataque: Bruno Cosendey erra a saída de bola e Alex Santana recebe o passe, solta a bomba de fora da área; a bola bate em Leandro Castán e… acontece o imponderável, 1 a 0 Paraná sem 6 jogadores considerados titulares. Então, aconteceu o que se esperava: um Vasco atarantado e nervoso. E aí bate o desespero com todos indo à frente e deixando espaço para os contra-ataques paranistas, exatamente o que o adversário queria. E aos 17, tivemos a chance do empate, em bola ganha por Maxi López, que cruza para Andrés Rios chutar em cima da zaga adversária. E pouco depois aos 24 aconteceu o previsto, contra-ataque paranista e Daniel Vilela chuta em cima de nossa zaga, a bola sobra para o Paraná e outro chute e a zaga rebate novamente para escanteio. E a Via Crucis segue, com chances perdidas, uma por Giovanni Augusto que chutou em cima de Richard e outra de Rafael Galhardo chutando para fora. Até que, aos 48 minutos nos acréscimos, Ramon invade pela esquerda e cava um pênalti a favor da equipe cruzmaltina. Sim, pois Ramon caiu na área de forma um tanto ou quanta elástica. Mas OK. Pênalti bem cobrado por Maxi López para empatar o jogo no último minuto do primeiro tempo.

No segundo tempo, voltamos mal, depois de uma melhora nos últimos 15 minutos do primeiro tempo. O Paraná voltou melhor e atacando mais. O Vasco completamente atrapalhado como de costume, não conseguia trocar 3 passes certos, o que acabou passando nervosismo à equipe. E então, aos 14 minutos, o lance capital que foi determinante para sepultar qualquer esperança de reverter a situação: erro de passe (novidade…) no nosso meio campo, lançamento para o atacante Carlos que passa em velocidade na direção do gol por trás de Leandro Castán, que perde na corrida e é obrigado a segurar o atacante adversário: cartão vermelho para nosso zagueiro, incontestável, visto ser ele o último homem. Assim, Valentim é obrigado a queimar uma substituição, colocando o zagueiro Henriquez. Com isso, o Vasco tentou ir para cima, mesmo com um a menos, mas falhamos muito na frente, com Kelvin driblando os zagueiros, mas cruzando mal no último passe. Dessa vez, o deslocamento de Pikachu para a lateral não adiantou muito. E o Paraná ainda perdeu duas chances, ambas defendidas por Martin Silva. Uma delas, aos 35 minutos, em cabeçada do atacante Carlos e uma defesaça colocando a bola para escanteio. Essa defesa foi crucial para segurarmos o empate. No final, tivemos uma boa trama pela direita e o zagueiro Henriquez chutou um cima da zaga Paranista e na volta o mesmo Henriquez chutou e a zaga novamente colocou a bola para escanteio. Realmente, um segundo tempo terrível para nós e, no final, o empate foi o melhor para o Vasco mesmo.

Com o empate de ontem, saímos do Z4. Mas para que permaneçamos fora do Z4, o ideal é que o Vitória da Bahia perca o seu jogo e a Chape não vença o Galo, porque já empatando, o Vitória nos passa pelo número de vitórias. Que sina a nossa. Por isso que era importante a vitória ontem. Porém, Bahia e Ceará estão com o mesmo número de pontos e, se perderem e o Vasco empatar com o Botafogo, já ficaremos em uma situação um pouco melhor. Mas ressalte-se: ontem perdemos uma chance de ouro, de se afastar do Z4. A luta continua, senhores.