É preciso mudar os ares.

Ao som de War Pigs – Black Sabbath, vamos ao que interessa,

A Revolta

As contraditórias declarações do Jorge Rabello, presidente da Comissão de Arbitragem da FFERJ, nesse ridículo episódio do gol não marcado no Vasco x Flamengo e no episódio em que o rubro negro foi prejudicado na derrota do Boavista em 2012 foram muito bem explicitadas nesse quadro.

Na minha opinião fica evidente que dar qualquer importância nesse campeonato é dar murro em ponta de faca. Não vejo chances do Vasco ser campeão mesmo se tivesse um time com Messi, Iniesta, Phillipi Coutinho e Cristiano Ronaldo.

Hoje estamos condenados a ser um reles coadjuvante nessa Federação bisonha. Alguém duvida depois de tantos “erros”, como a promoção de Pericles Bassols ao quadro da FIFA quando no mesmo ano ele foi um dos responsáveis diretos pelo título do Corinthians em 2011 prejudicando o Vasco em dois jogos contra o mesmo Flamengo?

Eu ficaria muito feliz se o Presidente do Vasco colocasse os Juniores para disputar o resto do Estadual. Alguma coisa tem que ser feita, o Vasco precisa sair dessa passividade destrutiva. A sina do Vasco não pode ser a de coadjuvante, devemos ser protagonistas SEMPRE. Na verdade eu teria o imenso prazer em ver a garotada jogar o estadual. Conhecer de perto os possíveis craques do futuro. Sinto uma saudade danada quando nos jogos do Vasco tinha a preliminar com os Juniores. Era bom demais aquilo.

Será que podemos fazer parecido?

Em meados de 2013 saiu a notícia de que o Atlético Paranaense queria disputar a o Campeonato Carioca em parceria com o Duque de Caxias. Na ocasião discutia-se a participação do time Sub-23 do Atlético ou até mesmo o principal.

Nesse mesmo ano o Atlético disputou o campeonato paranaense com o clube sub-23 enquanto o principal se preparava para a competição nacional. O Investimento valeu, o clube paranaense chegou a Libertadores e esse time sub-23 ainda disputou dois torneios amistosos na Europa: Yokohama Cup, na Alemanha, e a Esad Osmanovski Cup, na Holanda. O Atlético conquistou o título em ambos.

Todo esse blá blá blá é pra propor o seguinte debate, será que é tão impossível o Vasco jogar um campeonato mineiro, ou o brasiliense? O Vasco tem torcida no Brasil inteiro, se jogar em Juiz de fora terá mais público do que em São Januário normalmente. Em Brasília pode ter casa cheia também.

Uma mudança de ares pode ser uma coisa boa, já que estamos reféns desse campeonato falido e de uma federação que não nos respeita?

Mais calmo agora, pés no chão sempre!

É claro que essa proposta precisa ser avaliada economicamente. Não vou me estender aqui sobre as questões logísticas e os custos associados, a ambiência do time que vai ter que viajar constantemente e etc.

Na verdade o que eu estou carente mesmo é de ver alguém brigando pelo Vasco. Eurico e Roberto Dinamite nunca colocaram o Vasco em primeiro lugar, sempre usaram o Clube como escudo e plataforma dos seus interesses pessoais e políticos.

Por isso o desejo de romper com toda essa estrutura nojenta, o desejo de ver o Vasco longe da ação de pessoas como o senhor Jorge Rabello e o Rubens Lopes. Estes também fazem mal ao Vasco.

Ao som de Burn – Deep Purple, me despeço
Horacio