E mais uma para a conta

Com a vitória sobre o Avaí, o entusiasmo tomou conta de nossa brava torcida e esta começou a chamar nosso adversário de freguês, Bostafogo. Só que o time atual deles está a anos luz do nosso e ganhou hoje com certa facilidade por 3 a 1. E só foi 3 a 1 porque depois de terem feito 3 a 0, eles relaxaram um pouco, abriram o parquinho. Porque senão seria de 4, 5. O Botafogo perdeu uma chance até de dar uma goleada histórica na gente, tamanha a eficiência deles no ataque. Foram umas 5 chances e 3 entraram em nosso gol; e a gente criou umas 10 chances para fazermos 1. Aí está a razão da derrota.

O jogo começou com o Bota em cima, a nos sufocar, marcando nossa saída de bola e atacando pelos lados do campo. E logo aos 4 minutos, o bom volante alvinegro Bruno Silva faz bela jogada, cortando Henrique e Jean para dentro e cruza certeiro para Roger, sozinho no meio de nossa dupla de zaga. Bota 1 a 0. Após o gol, o Vasco tenta de se lançar ao ataque, de forma meio atabalhoada. Mesmo assim, tem o chute de Douglas para fácil defesa de Gatito Fernandez. Depois duas cabeçadas de Luiz Fabiano e outra de Jean, rente à trave esquerda. Só que quem não faz toma. E aí, falta na entrada da área do Vasco pelo lado direito. E João Paulo rola para Vitor Luiz acertar um foguete de esquerda de fora da área. Golaço e 2 a 0 Botafogo. Mas Martin Silva estava adiantado. Gol aos 48 e fim do primeiro tempo.

Vem o segundo tempo e MM tira Pikachu e coloca o ponteiro Paulo Vítor. Não se omitiu e tentou criar jogadas, pelos dois lados. No entanto, em seu primeiro ataque no segundo tempo, o Botafogo marca o terceiro. Escanteio cobrado da direita, Breno rebate mal e a bola sobra para Roger, que não perdoa. Bota 3 a 0. Com 3 gols de diferença, o Botafogo diminui o ritmo e o Vasco ataca com Nenê e Paulo Vitor. MM tira Henrique e põe Madson. Não melhorou em nada a situação. Quando o Botafogo fez o terceiro gol, foi pelo lado esquerdo também, com Gilberto na esquerda. Somente as entradas de Caio Monteiro e Paulo Vítor é que melhoraram o time. E na base da raça, conseguimos noso gol de honra, com Nenê tocando para Luiz Fabiano, que tromba com Joel Carli e cruza para o ponta direita Caio Monteiro fazer o gol de honra; 3 a 1. E ficou de bom tamanho para nós. Poderia ser bem pior. Pelo menos não passamos vexame.

E domingo, temos o jogo de 6 pontos, contra o Atlético Goianiense. É um jogo que ganhou uma certa dramaticidade. Hoje, eles venderam caro a derrota para o poderoso Palmeiras. Foi 1 a 0 apenas. Então, se ganharmos de meio a zero, já estará bom. Que sina a nossa. Mas perdemos para um time que teve a quinta melhor campanha da Liberta, à frente do Palmeiras por exemplo. Precisamos respeitar mais os nossos adversários.