Dos males, o menor

E o sofrimento cruzmaltino prossegue. Tal como em 2018, o Vasco segue o calvário. Em um jogo tenso ruim, em que ambas as equipes se preocuparam em não perder, o resultado não poderia ser outro, 0 a 0. O Vasco chegou a 37 pontos, em décimo quarto lugar. Em tese, precisa apenas de 5 pontos em 15 a disputar. Aparentemente uma tarefa não muito complicada. Mas em se tratando de Vasco, tudo é possível…

O jogo foi de qualidade técnica sofrível. No primeiro tempo, apenas uma chance aos 24 minutos em que o Bahia adiantou a marcação e Fernando Miguel e Castan se atrapalharam e Rossi dividiu com o goleiro, que consertou a lambança a tempo. No mais, as defesas predominaram sobre os ataques, pouca ousadia. O medo de perder inibe a vontade de ganhar. Ainda mais para o onze cruzmaltino, jogando em casa, tinha que ter mais gana, mais raça.

No segundo tempo, o Vasco voltou mais ligado, com Gabriel Pec em uma primeira tentativa, com 2 minutos. Aos 10, Cano de bate pronto, para defesa de Douglas. E nesse bate pronto, um minuto depois, contra-ataque puxado por Gilberto, que ganha da Bruno Gomes e Castan na corrida e serve Rossi que bate forte para boa defesa de Fernando Miguel. Aos 21 minutos, Léo Matos bate uma pancada de fora da área para uma boa defesa de Douglas a escanteio. 4 minutos depois, Igor Catatau, que entrou na vaga de Benitez, faz boa jogada, corta para dentro e bate forte para outra grande defesa de Douglas. Aos 30 minutos, o lance da discórdia que definiu o 0 a 0: falta cobrada por Leo Gil, Leandro Castan acaba entrando acidentalmente no goleiro Douglas e Catatau empurra para o gol vazio. O árbitro acaba anulando o gol via VAR e expulsa Castan, o que pode ser considerado exagero, tendo em vista que não foi intencional o lance, no máximo uma entrada imprudente. E isso gerou um problema para o onze cruzmaltino, que ficou com 1 a menos e teve que recuar, uma vez que o Bahia veio para cima e quase chegou aos 41 em um cruzamento em que Ricardo Graça interceptou para escanteio, com Fernando Miguel saindo mal do gol. O Bahia ainda tentou via bola aérea, mas sem maiores perigos.

Com o empate de hoje, o clássico de quinta-feira contra o Flamengo se tornou de uma importância mais relevante. Se hoje tivesse vencido, seria uma partida mais tranquila, em que até o empate seria muito bpm. Mas com o empate, até a vitória no clássico se tornou um ponto a considerar. O empate não é de todo ruim, mas é bom, tentar uma vitória. Não jogar aberto, é jogar por uma bola e ver o que dará. Pode até vencer os mulambos. Quem sabe. O Vasco é um time reativo, por isso a dificuldade ante o Bahia hoje.