Dois dias para um milagre

É de Jorginho e Zinho que a gente vai? Então vamos.

Roth era o bode na sala. Qualquer elemento que fosse colocado ali seria, pra mim, um alívio.

As referências são tristes. Jorginho nunca foi campeão de rigorosamente nada e tem um histórico de trapalhadas ligadas à sua religião. Dentre os quais o surreal episódio no qual quis suprimir o diabo do cargo de mascote do América. Não acredita? Pesquise por favor naquele site de busca os vocábulos “jorginho américa diabo”.

Estamos a cerca de sessenta horas de mais uma final de campeonato. Ganhar do Flamengo nesta quarta feira pode ser o divisor de águas que precisamos para restaurar nesse bando alguma espécie de foco para encarar as (pelo menos) vinte partidas seguintes (19 + a volta da Copa do Brasil). E com esse prazo, nem sendo um homem muito religioso dá tempo de fazer milagre. Vai ter de ser na conversa. Uma arrumada básica, escalar o que tivermos de melhor e fazer o time acreditar que pode reagir.

O fato positivo é que do lado de lá a pressão também existe. Resultados ruins. Uma defesa tão pavorosa quanto a nossa. O Vasco é a pior defesa do campeonato, com 31 gols sofridos. Depois dele, Avaí e Flamengo levaram 28 gols. Sabia disso? Claro que não, né? Quem vai falar disso?

Mas pior que isso, o Flamengo sofre a pressão do favoritismo. Com a costumeira empáfia, a torcida do rival tem a certeza de duas goleadas sobre o nosso pior time da história. E isso não costuma dar bom resultado. Ninguém ganha de véspera. Mesmo entrando em campo com este time.

Jorginho e Zinho passaram por tudo o que se pode passar num campo de futebol em termos de stress. Ambos campeões do mundo em 1994. Experiência não falta. Espero que conversa também não. O momento está mais pra rivotril do que pra red bull. Inclusive pra nós, torcedores, que testemunhamos isso de perto ou de longe.

Eu espero um time controlado e focado na 4a feira. Disputando cada bola como o último prato de comida.

Tudo o que vem por ai vai depender dessa partida.

Que Deus (em qualquer de suas manifestações) nos ajude. Precisamos.

/+/+/

Não me espantarei se, daqui a alguns meses, aparecer um contrato milionário do Vasco com alguma empresa para a instalação de uma câmara frigorífica em um camarote de São Januário. Enquanto vemos o inferno das arquibancadas e sociais, o nosso grande líder fica no fresquinho de sua Siberia privada.

/+/+/

Vamos ganhar 4a feira, Vasco?