Desastre… Mais um!

Um gol aos 3 minutos e pouco no primeiro tempo já deu mostras do que seria o jogo. Duas escorregadas – Ânderson Salles e Aislan, um chute que passa e desvia no meio das pernas do Rodrigo e, sobretudo, passa por um Martín Silva que há alguns meses não tomaria esse gol.

O nosso Vasco atual simplesmente não sabe sair atrás no placar. O tão decantado “time da virada” atualmente desmorona, técnica e psicologicamente, quando toma o primeiro gol.

Um segundo gol em que houve falta no nosso goleiro e minhas esperanças se reduziram a perto de zero. Mais um gol com falha do goleiro cuja volta era tão esperada por todos os vascaínos, somado ao azar da bola bater no Aislan e voltar caprichosamente para o jogador do Palmeiras…

Time perdido em campo e ganhamos um presente da defesa do Palmeiras que o Herrera faz questão de perder bisonhamente.

Vem a nossa mente… Lá no fundo… Aquela lembrança boa em que o adversário era o mesmo, o placar era o mesmo, mas aí a realidade dura traz a informação de que o nosso time é outro, infinitamente pior.

Nem dá para comentar nada do segundo tempo. Palmeiras puxou o freio, ainda marcou mais um golzinho, tomou outro quando absolutamente mais nada podia ser feito.

Uma pena. São Januário lotado com nossa torcida finalmente presente, mas o caldeirão frio… Gelado!

Reação mais que compressível.

—-

A tabela nos tem sido cruel. Começamos mal o campeonato. Contratamos e não conseguimos treinar. São jogos domingo, quarta, domingo, quarta… Contra adversários do topo da tabela.

O “messias” tentou nos enganar com o time que fora campeão carioca, um campeonato que convenhamos, deixou de ser tão difícil de se vencer. E quando viu que deveria mexer os suspensórios e meter a mão no cofre já era tarde. Trouxe alguns jogadores, anunciou outros e não trouxe…

Corremos contra o tempo, mas não dá para ficar fazendo experiências jogando jogos que valem pontos.

Vou começar pelos goleiros. Martín Silva, apesar da atuação ruim de hoje, para mim ainda é o titular. Tem experiência e crédito para se manter com a camisa 1. Jordi um ótimo substituto. Um pouco mais de experiência e teremos um goleiro para alguns anos. Charles? Pode devolver para o Cruzeiro.

A zaga tem que ser Luan e Rodrigo. Não é espetacular mas é o que temos de menos ruim. Ânderson Salles é zagueiro (ouviu Celso Roth!!!). Um bom reserva e só. Aislan?!?!? Me poupem!

Madson deixou o seu futebol no campeonato carioca. Acho que ainda sente falta do paraguaio Julio dos Santos. Hoje não marca e nem ataca. Quem sabe uma tentativa com o Jean Patrick? Ele começou bem o campeonato carioca e saiu por contusão quando então o Madson assumiu a titularidade.

Na lateral esquerda a coisa está feia. Muito feia! O Cristiano é fraco. O Júlio César esqueceu como é jogar por ali. O Henrique é de vidro… Sei lá… Por absoluta falta de opção, deixe o Cristiano mesmo e seja o que Deus quiser…

Talvez as posições com maior certeza sejam as de volante. Serginho e Guiñazu e não se discute mais.

Daí para a frente, uma miríade de jogadores de difícil combinação… Eu manteria Andrezinho e Jonh Clay, mas no ataque eu iria de Riascos e Gilberto. Para substituir o negão (Riascos) que sempre cansa no segundo tempo, apostaria no Rafael Silva ou no próprio Herrera. Dagoberto? Um ex-jogador em atividade.

Isso tudo para brigarmos contra quem dá para a gente brigar: Joinville, Coritiba, Goiás, Figueirense, Avaí…

Que chegue logo 2016…

—-

Hoje tive o prazer de ver o jogo (não pelo jogo, mas sim pela companhia) ao lado do meu padrinho nesse espaço: Zeh Catalano!

Valeu companheiro! Que na próxima a gente dê mais sorte ao nosso Vascão!