Com Joel é diferente

joel vasco

Matéria do Lancepress de hoje chama a atenção para um momento importante do Vasco em 2014, por conta da chegada de Joel Santana ao comando do time.

Está desenhado o caminho para que o Vasco progrida rumo aos seus melhores dias.

Mais uma vez, nada pessoal contra o antigo treinador, Adilson Batista, mas sim a respeito de seus métodos de trabalho – que, se fossem diferentes, talvez não exigissem a modificação à beira do campo.

“As conversas com o elenco antes dos treinos, as orientações e elogios durante as atividades. Aos poucos, Joel Santana vai arrumando a casa. Porém, não tão aos poucos como se imaginava. Em menos de uma semana, o Papai, após a crise que passou pela Colina, conseguiu fazer com que o time jogasse de uma forma, ao menos, mais convincente e animasse um pouco mais o torcedor.

Contra o Luverdense, na última terça-feira, reestreia de Joel à frente da equipe vascaína, uma atuação segura e com poucos sustos para o setor defensivo e torcida. A vitória aconteceu, talvez, sem a necessidade de grande esforço.

Um dos trunfos de Joel foi conseguir fazer com que o time voltasse ao caminho das vitórias e a perspectiva na Série B mudasse, mesmo sem ter alterado drasticamente o esquema utilizado pelo antecessor Adilson Batista. Pelo contrário, com humildade, o treinador garante que não tem nada de diferente em relação aos outros técnicos e ressalta o trabalho de Adilson.

– Vamos dividir o resultado com o ex-técnico que estava aqui. O que importa, para nós, do pouco tempo que tivemos para trabalhar, foi que eles procuraram desenvolver o que estávamos precisando. Isso é o mais importante do futebol – disse.

A linguagem “boleira” pode ajudar neste caso. “Isso, vamos apertar. Para que vamos esperar eles andarem 80 metros?”, “Bonito! Gostei de ver. Vou até trocar o lado porque achei excelente”, foram algumas das falas de Joel durante o treino de ontem. A cada boa jogada, não dispensava uma palma. Até conversa com Martin ao pé do ouvido arriscou.

E o jeito Joel de ser vai tomando conta de São Januário. Que, à beira do gramado, ele possa fazer o time embalar como em outras épocas.