Cinismo e cara de pau!

Estava me preparando para escrever por aqui sobre a estreia de nosso novo reforço – Dagoberto, e mais algumas coisas sobre estes primeiros meses de administração “euriquiana“, mas não posso me furtar de comentar sobre o absurdo que tive o desprazer de ler logo pela manhã, durante o meu desjejum, no jornal O Globo.

Como eu sei que há crianças que leem esse meu espaço por aqui, vou poupá-las da reprodução ipsis litteris do escrito, mas quem tiver curiosidade (e estômago!), fica o link: http://oglobo.globo.com/esportes/rmp/posts/2015/03/17/olho-vivo-563028.asp

De autoria do jornalista Renato Maurício Prado, o texto publicado conseguiu a proeza de ser uma peça “belíssima” de cinismo e cara de pau! Um texto que ficará na história e deverá ser ensinado nas disciplinas dos cursos das faculdades de jornalismo, psicologia e até nas pós-graduações de psiquiatria, como um exemplo flagrante de “amnésia seletiva”.

Sob o título sugestivo de “Olho Vivo”, o missivista desfila toda a sua desfaçatez e nos “brinda” com um texto onde ele, além de partir de uma situação absolutamente normal tenta incutir a ideia de um suposto favorecimento ao Vasco, defende com mais falta de vergonha ainda os dirigentes de seu amado Flamengo e seu aliado de ocasião, o Fluminense.

Foi uma experiência de embrulhar o estômago, ler sobre “pênalti inventado”, dando a entender que o Vasco já estaria sendo beneficiado, quando ele convenientemente se esquece que antes desse jogo citado contra o Bonsucesso, o Vasco fora prejudicado pela arbitragem contra o Barra Mansa, tendo um gol legal invalidado. Para ele, erros que favorecem o Vasco são “inventados” e um sinal claro de armação; mas os que ajudam ao seu time do coração, são relegados a simples e inocentes “erros de arbitragem“, conforme ele mesmo publicou em seu blog em fevereiro de 2014, ao escrever sobre o tal gol dos 33 cm do Douglas contra o Flamengo, ou “injustiças cometidas em nome de justiças” conforme seu texto publicado em abril de 2014 sobre o acontecido na final do Campeonato Estadual de 2014.

Numa prova flagrante de sua hipocrisia, ele levanta suspeitas sobre a ligação entre Eurico Miranda e Rubens Lopes, e ignora simplesmente o quanto seu clube do coração fora favorecido neste mesmo campeonato. Claro que nenhuma menção é feita ao gol em impedimento validado para o seu clube do coração, quando o mesmo enfrentou o Volta Redonda. Obviamente é também omitido o “gol” de empate arrumado contra o Madureira, validado mesmo sem a bola ter entrado, o que aliás, deixaria o seu clube atrás do próprio Madureira e empatado com o Flu, quinto colocado no momento, na tabela de classificação.

Resumo da ópera: segundo esse jornalista, um possível título do Vasco já está sendo colocado em suspeita hoje, mesmo com nosso time já tendo sido garfado. E sobre o time que o jornalista torce, que já foi comprovadamente favorecido nesse campeonato, não se diz qualquer palavra.

Eu sei que, como já dizia o Barão de Itararé – “De onde menos se espera, daí é que não sai nada“; mas é preciso que se faça algo. É preciso que nós escancaremos o cinismo que beira a cara de pau de um sujeito que sempre coloca sua paixão clubística acima de seu dever profissional, que se coloca sempre de maneira parcial, chutando a coerência para escanteio e favorecendo escancaradamente o clube que ama.