Cem ou sem jogos?

E finalmente, no seu centésimo jogo, Madson fez o seu gol com a camisa vascaína. Mas esse foi o único fato positivo dele. Mais uma partida bisonha. Mais uma partida em que o nosso lateral se limita a correr e a bater lateral no meio da área. Fora isso, as mesmas falhas de marcação de sempre, as mesmas falhas ofensivas de sempre, os mesmos cruzamentos bisonhos de sempre.

Ou seja, a exceção que foi o gol, talvez só volte a acontecer daqui a cem jogos, mas suas más atuações vamos ter que aguentar mais um pouco…

Aliás, o bom futebol dessa equipe apresentado nas duas partidas anteriores, assim como a motivação nestas mesmas duas partidas anteriores – classificação que seria heroica e a presença do técnico da Seleção Brasileira, sumiram.

Ederson, Júlio César, Jorge Henrique e Julio dos Santos foram peças completamente nulas. Nenê e Andrezinho não foram nem sombra do que vinham jogando. Rodrigo conseguiu falhar em dois dos três gols que tomamos. Luan andou dando suas pixotadas. Salvaram-se os garotos Douglas e Alan, além de Martin Silva que fez o que pode.

Partida para ser esquecida.

De menos ruim é que praticamente nada nessa longa e enfadonha série B de 2016 muda. Perdemos e continuamos líderes isolados e a uma distância bastante segura do quinto colocado.

Ô 2016 que não acaba…

Com o acesso praticamente garantido, urge pensarmos em 2017. Será que vamos nos manter focados no campeonato estadual? Será continuaremos a nos contentar com vitórias sobre nossos rivais? Será que entraremos na série A como fortes concorrentes a cair novamente?

Com a palavra, Eurico Miranda e seus asseclas.

Foto da capa: André Mourãoodia.ig.com.br