Category: Zeh Catalano

Oito e quarenta e cinco da noite e eu assisto Buzz Lightyear e Woody com minha filha de quatro anos. Uma tevê em casa, sem internet fixa, com o pacote de tv a cabo mais simples possível e carnaval na esquina. Cinco minutos atrás, abri o site do jornal pra ver o resultado e me Read more

Como pode um cidadão deixar de ver um lance cristalino a menos de cinco metros à sua frente? Não sei. Na minha opinião, não pode. Ponto. Mas há algo pior do que o “erro” do assitente do árbitro. É o comportamento vendido da imprensa, que busca legitimar qualquer coisa que se passe em campo.

Nas Olimpíadas, o Rio será a capital do mundo por meses. Estrangeiros do mundo inteiro têm de sair do Rio vestindo camisas do Vasco, apaixonados pela história do Vasco. É uma chance única de exposição do clube. Tenho certeza de que Nike, Umbro e Kappa já viram isso. Mas o Vasco, não.

Quantos impedimentos esquecidos? Tira teimas deslocados? Impedimentos mostrados fotogramas pra trás ou adiante, quando a bola já saiu do pé do jogador. Milésimos de segundo bastam pra subverter a verdade.

Senhores do marketing do Vasco: busquem laboratórios! Ofereçam o espaço da camisa deste goleiro para estampar: Diazepan! Lexotan! Rivotril! A visão dele em campo é a coisa mais calmante dos últimos anos.

E eis que numa das rodadas iniciais do Campeonato Paulista, o Corinthians visita Urbano Caldeira e toma uma sova de 5 a 1. Início de campeonato, técnico novo (Professor Mano Menezes, retranqueiro que só, tomando de cinco), jogadores fora de forma. Há uma série de justificativas plausíveis para o desastre.

Aparentemente, hoje tivemos o final da carreira do último de nossos ídolos verdadeiros. Juninho parou de forma esquisita, como um velho piloto de Fórmula 1 que tem um acidente forte e decide se aposentar. Merecia final mais impactante, nos braços da torcida e sem essa queda que todos lamentamos. Acontece que, em confirmando mesmo sua Read more

Um Procurador-Geral do Ministério Público do maior estado da Federação afirma que há fortes indícios de que alguém de um clube da 1ª divisão do futebol do Brasil recebeu suborno para deliberadamente escalar um jogador irregular na última rodada do campeonato nacional, provocando o rebaixamento dessa equipe.