Carência cruzmaltina

Segundo um dos dicionários brasileiros, a definição de carência é “s.f. Necessidade de alguma coisa básica; falta, privação: carência de alimentação. Figurado: Necessidade emocional, afetiva e/ou sentimental: carência de carinho”

Carência aguda é o que boa parte da torcida vascaína tem passado nos últimos anos. Quem nasceu até o final da década de 80/início da de 90, se acostumou a ver um Vasco grande, o Gigante da Colina, o Time da Virada (sim, com iniciais maiúsculas!). Com alguns clarões em anos de fila, mas sem perder a majestade jamais.

18-07-2013-12-07-16-campanha-de-torcedores-do-vasco-ultrapassa-r$-500-mil-de-dividas-pagas

Sou de 85, lembro do meu pai gritando tri-carioca (92/93/94), lembro do espetacular elenco de 97 e dos planteis que vieram nos anos seguintes. O centenário coroado com a Libertadores, a histórica virada contra o Palmeiras na Mercosul. Lembro também do tanto de esperança que a torcida tinha em ver um grande ídolo como presidente, já no início de um período obscuro do clube…

E lá veio o grande salvador da pátria! Perdoado por boa parte dos vascaínos na primeira queda do clube à série B, pois alegava ter recebido uma herança maldita e jurava cuidar decentemente da instituição a partir dali. A coisa foi caminhando, parecia haver planejamento mesmo – apesar de algumas posturas pífias do clube em relação às federações carioca e brasileira de futebol – até entrarmos num estado de quase abandono novamente.

E olhe, digo uma coisa: a torcida vascaína é heroína na mesma proporção que é mulher de malandro. Sofre, chora, se irrita, briga, mas não larga o time. Parece aquelas crises de casal que a pessoa pega as roupas, diz que vai embora aos prantos mas sempre volta no outro dia, morta de amor e saudade.

Eis que surge a pseudo volta do respeito. Ou a volta do pseudo respeito, como preferirem. Um retrovisor é colocado diante da torcida, relembrando – obviamente – só as glórias do passado recente. Nenhuma crise é relembrada, nenhum desmando, nenhum processo, enfim, só floreios! Alguns torcedores – já de corações maltrapilhos – estão se jogando nessa onda. Os mais novinhos acham que só tem Vasco grande se tiver essa presidência que voltou, e eu não os culpo, afinal futebol é feito de resultados e a maior parte da torcida só se liga no futebol (profissional masculino), infelizmente.

Então, veio o título do carioca, coisa que a gente não via desde 2003 (e a imprensa não cansou de martelar isso no nosso juízo!!) e o fervor da torcida foi a mil! Berros e mais berros de “o respeito voltou”, os mais animados já falando em título do brasileiro. Ah, torcida carente! Tão carente que quase fez do Bernardo ídolo…rs Aí vem o choque de realidade: três empates seguidos, com atuações muito duvidosas, contra três times de menor expressão (com todo respeito aos clubes e aos torcedores, mas é a verdade).

Festejei o carioca e festejaria novamente, quero o Vasco grande, mas não acho esse elenco bom o suficiente pra um campeonato de pontos corridos. Só que como eu não trabalho com previsões e mandingas, claro que passarei o ano inteiro torcendo (e tendo raiva desses empatezinhos de uma figa!), com pé no chão e bandeira na mão!

Perdão pelo longo primeiro texto aqui no Panorama! Experiência nova e desafiadora, pretendo dividir sentimentos (que não podem parar) com vocês todas as terças.

Saudações Cruzmaltinas!
/+/

Posted By Silvia Cambará

5 Comments

Diogo

Tá bombando o panorama!

Silvia Cambará

😉

Léo

Parabéns pelo texto e bem vindo.
Tds juntos nesse sofrimenso de nível mediano e nesse mundo Euriquista em que alguns novos por ae colocam o presidente maior que o clube ( basta ir no NETVASCO e verás um bando de hipócritas de memória curta glorificando nosso querido presidente que se diga de passagem está fazendo um ótimo trabalho até agora ) alguns desses “Vascaínos” colocam pessoas acima da instituição, colocam pessoas falhas como Deuses e Heróis.
Já sugeri mudar o nome do Club para Eurico da Gama e pra variar fui chamado de Bovino, amarelinho e mais alguns insultos sem noção msm eu sendo apenas um torcedor do Vasco e não de A ou B.
saudações Vascaínas /+/

Silvia Cambará

Léo, política é um troço sempre complicado de debater, assim como futebol. Quando a gente junta os dois, então… Haja coração e estômago, né? rsrs

Mas vamos que vamos, pelo Vasco, com o Vasco!

Abraço!

Léo

Sempre Silvia

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *