Bola fora.

Como já contei algumas vezes por aqui, frequento estádios de futebol desde a segunda metade dos anos 70. Ensinado pelo meu pai, aprendi a amar tudo que envolve o clube da Cruz de Malta, mas há outra lição que o “velho” me ensinou e que até hoje eu conservo e tento repassar à minha filha: o respeito aos adversários. E para isso, ele fez o simples: me fez conviver com eles.

Meu pai sempre foi (e ainda é!) um cara muito expansivo, simpático ao extremo com qualquer um. E esse seu jeito o faz ter uma legião de amigos. Obviamente é fácil deduzir que não há somente vascaínos nesse grupo. Não! Flamenguistas, tricolores, botafoguenses, americanos e até torcedores mais folclóricos como um amigo seu que é fanático pelo… Olaria!

Tais exemplos entraram na minha vida e eu aprendi a admirar também os adversários. Entendi que se há razões suficientes e até óbvias para escolher o Vasco, também existem razões para escolher o Fluminense, Flamengo ou Botafogo.

Cresci, fiz meu círculo de amizades e, assim como meu pai, passei a assistir os clássicos cariocas com amigos rivais. Note bem: eu disse AMIGOS rivais. Nunca inimigos.

Em todos esses anos, há cenas inesquecíveis com esses amigos ue guardo na lembrança com imenso carinho. Essas imagens… Essas lembranças vieram à minha cabeça quando tomei conhecimento dessa medida absurda tomada pela Justiça do Rio.

Não é só esse prazer que descrevi que se perde com a torcida única. Com essa medida estapafúrdia, passa-se um recado claro de que somos todos inimigos, que somos incapazes de conviver com o diferente, que somos limitados a tal ponto de não enxergar as diferenças como algo de mais valioso da espécime humana.

Ao se isolar torcedores de equipes rivais, os torcedores vão se tornar cada vez mais radicais e mais afastados uns dos outros. O efeito é absolutamente contrário ao pretendido. Se você não convive com o outro, nunca vai entender o ponto de vista dele, sua identidade. Se há a possibilidade de aproximação, há a chance de compreensão.

A tese apresentada ao Juiz pelo MP do Rio defende que essa medida vai reduzir a violência, principalmente após os atos de barbárie do último Botafogo e Flamengo. Ignorou-se que neste clássico houve uma falha da PM. Muitos soldados não foram para o estádio como planejado. Assim, os marginais de sempre sentiram-se livres para agir.

É mais que sabido que a maioria das mortes de torcedores em conflitos ocorrem longe dos estádios, em confrontos muitas vezes agendados pelas redes sociais. Portanto, tal medida torna-se inócua: os mesmos marginais de sempre que a Lei e a Justiça não punem com a devida severidade vão continuar marcando os seus “encontros” e a selvageria vai continuar acontecendo. Seguindo por esse caminho, a solução extrema e final seria a extinção do futebol.

Como sempre, argumenta-se que se trata de um mal necessário… Para nosso bem… Bem de quem, “cara pálida”? Talvez da PM, que terá o seu trabalho dentro dos estádios facilitado (isso quando não ocorrerem brigas dentro da mesma torcida…). Ou talvez do promotor da ação, que vai poder posar de bom moço e dizer que ”resolveu” o problema.

Enquanto isso, eu e meus amigos rivais nunca mais poderemos ter aquela indescritível sensação que só o futebol proporciona. Aquele prazer de zoar o amigo ou até de ser zoado. De marcar encontros, não para brigas, mas sim para aquele chope depois dos grandes clássicos. De brincar – e não de brigar, com seu amigo rival, já pensando no próximo jogo.

Bola fora, Dr. Rodrigo Terra (promotor dessa ação).

Aproveitando a oportunidade, essa coluna de hoje é dedicada aos meus confrades do grupo virtual do Facebook, Mentes, e Dementes, Brilhantes, onde se encontram vascaínos, flamenguistas, tricolores, botafoguenses, americanos, atleticanos, tricolores do Bahia etc, para manter o que esse promotor quer nos tirar. Para mostrar que podemos sim brincar e conviver com as diferenças de pontos de vista sem que por causa disso queiramos nos matar.

Tenho um enorme orgulho de ser um dos fundadores e mantenedores do grupo.

E como sempre dizemos: The zueira never ends!