Boicote

“If you choose to continue to buy The Sun after reading this article, and the articles it links to, then you ought to stop calling yourself a Liverpool supporter. Collect any shirts or scarves you have, and hand them in to a charity shop. In fact you can’t really call yourself a football supporter. The lies printed in The Sun that you will read about below were aimed at Liverpool supporters, people from Liverpool, people from the North of England, football supporters of any club.”

Se você continuar a comprar The Sun após ler este artigo e os artigos linkados a ele, então você deve parar de se dizer um torcedor do Liverpool. Pegue quaisquer camisas e cachecóis que você tenha e os dê para uma loja de caridade. Na verdade, você não pode se dizer um torcedor de futebol. As mentiras publicadas no Sun que você lerá foram dirigidas aos torcedores do Liverpool, ao povo de Liverpool, ao povo do norte da Inglaterra, torcedores de qualquer time.

Link para a matéria completa aqui..

15 de abril de 1989. Numa semifinal de Copa da Liga Inglesa entre Liverpool e Nottingham Forest, no estádio do Sheffield Wednesday, houve um grande tumulto por causa de superlotação do estádio. 96 torcedores do Liverpool morreram. Dias depois, o Sun, um dos maiores jornais populares da Inglaterra publicou reportagem, cujo título era “A verdade”, culpando torcedores bêbados do Liperpool pelo tumulto e pelas mortes. Na reportagem, entre outros absurdos, o de que torcedores do Liverpool urinaram nas equipes de resgate e nos corpos e violentaram uma torcedora morta.

Imediatamente surgiu o boicote. Que persiste até hoje. As pessoas de Liverpool não compram mais o jornal e nem acessam a versão online. Em 2004, o veículo publicou um pedido de desculpas. Não adiantou. Tanto é que estou citando essa história em Maio de 2015, 26 anos depois da tragédia. Em 2014, o Sun resolveu distribuir uma versão gratuita. Os carteiros de Liverpool se recusaram a entregar essa edição. E os moradores se recusaram a recebê-la.

Hoje em dia quase não há mais espaço para uma mentira desse tamanho. Além da transmissão muito melhorada, milhares de celulares documentariam o ocorrido, e sites como o Panorama publicariam sua versão dos fatos, diminuindo o alcance e a importância do que dizem os veículos formais de comunicação.

Infelizmente o poder desses veículos fez seus estragos por aqui, principalmente quando estes meios de comunicação passaram a buscar o lucro como qualquer empresa, fazendo com que alguns deles perdessem para sempre o compromisso com a verdade dos fatos. Dai em diante, não se veicula mais nada contra quem paga anúncios, e se trata melhor quem, teoricamente, compra mais jornal.

Com isso, viramos o time dos vices. Mentirada publicada sucessivas vezes em jornais e mostrada em centas reportagens de tv, pouco importa se tal pecha não tenha – e não tem! – base em números. A repetição dessa mentira fez com que se acreditasse que somos vice. Até entre os vascaínos mais jovens há quem já acredite nessa besteira, tamanha a campanha.

Como vimos no exemplo inglês, a solução para isso é o boicote. Não comprar. Sob hipótese alguma. Que o veículo mentiroso vá vender seu papel de embrulhar peixe e lixo pros torcedores dos clubes favorecidos. Mas para isso funcionar, o torcedor tem de ter a disciplina de não comprar o tal jornal mesmo que na segunda feira exiba, se Deus quiser, o poster mais lindo do Vasco campeão. Pelo contrário, essa será a hora do boicote. De encalhar. Pois essa edição não será comprada pelos protegidos.

Tomo aqui a liberdade de não postar nem o nome do veículo que motiva esta publicação nem seu link na internet para não dar propaganda gratuita. Peço que o leitor olhe nas bancas. E não compre mais.