À beira do campo

banco de reservas

Que o Vasco vai voltar ao seu devido lugar, não tenho a menor dúvida.

Claro, com a observação de que a disputa da série B não é nem será como era em 2009. Naquele ano, mesmo ferido, o time criou uma estrutura e, mesmo muito antes da ratificação matemática, já tinha subido, tamanhas eram a pontuação, o desempenho em campo e a força da torcida – esta, ao contrário das demais, continua bela e firme.

Em 2014, havia uma pedra no sapato: Adilson Batista. Nada contra o ex-zagueiro de Cruzeiro e Grêmio. Sobre o treinador, escrevi aqui diversas vezes: não servia para o Vasco. Mais uma vez: nenhum interesse em ofensividade barata, apenas uma opinião. Fraco taticamente, dado a hipérboles herméticas, nunca conseguiu dar o padrão que o time necessitava. A chegada à final do Carioca 2014 mascarou alguns problemas. Tem histórico de instabilidade em crises. Tudo o que o Vasco mais precisa neste momento é alguém que tenha o contrário: serenidade em momentos de tempestade. O desastre frente ao Avaí já era anunciado de alguma forma.

De onde vem minha certeza sobre o desejado acesso vascaíno? Elementar: se, com tantas besteiras feitas desde o ano passado, ainda foi possível continuar a uma vírgula do G4, basta uma contratação com um mínimo de lucidez e as coisas vão caminhar.

Falam em Enderson. Fez um bom trabalho no Goiás, começou com milagres, classificando o Fluminense na Libertadores 2011. Não tivesse sido a carta marcada de Scolari, talvez ainda resistisse mais tempo no Grêmio. Pode ser um bom nome. Muito melhor do que vários enganadores por aí, estilo Caio Júnior ou o inacreditável Celso Roth – este, por sinal, se prevalecer a vergonha na cara, nunca mais pisará em São Januário como profissional do clube.

Em paralelo, claro, a disputa política, tumultua e interfere nos dias políticos do clube. A torcida cobra com razão. O que não faltam na Colina são problemas a serem tratados.

Uma coisa de cada vez.

A primeira é colocar de novo o avião em rota.

Para isso, um piloto competente.

Pode ser o Enderson, que já tem alguma cancha, mas corroboro as palavras de ontem de São Catalano: é preciso alguém com cancha, cascudo, capaz de aguentar as intempéries do mar. De preferência, quem esteja familiarizado com o Vasco e sua lida.

Dorival?

Joel?

De toda forma, não dá pra esperar. É para ontem.

@pauloandel