A bandeira da hipocrisia

bandeira de mello

Imediatamente após a primeira partida da final, o Sr. Bandeira de Mello, presidente do rival vascaíno na decisão do Carioca 2014, passou a pular feito pipoca na panela quente por conta de possíveis erros cometidos pelo árbitro Rodrigo Nunes de Sá a favor do Vasco.

Fosse o caso de piada, ela não se classificaria num concurso do gênero. Mas era sério. Sério demais. E por isso mesmo, de uma hipocrisia dolorosa.

O grande lance polêmico da partida foi a mais nova trapalhada do goleiro Felipe, sugerindo ter sido chargeado na hora do belo gol de Rodrigo. Faça-me o favor.

A memória seletiva do Sr. Bandeira é fabulosa. Desnecessário dizer da tungada sofrida pelo Vasco na partida da Taça Guanabara. O gol claríssimo desafiou definições e teve repercussão internacional.

E o que dizer da emocionante entrevista concedida a respeito do caso Flamenguesa (a maior coincidência da história do futebol brasileiro)? Dia 23/01/2014, no diário Lancenet:

flamenguesa lancenet

Pois bem: aqui falo de episódios recentes. Se fosse mergulhar no tempo, a coisa mais fácil do mundo seria dissertar sobre aquele incrível jogo no Serra Dourada em 1981. Ou sobre aquele ladrilheiro. E aquelas papeletas amarelas, hein? Ou entregar jogo para favorecer o rebaixamento do Fluminense DUAS vezes, 1996 e 1997. Temas para livro(s).

Melhor ficar por aqui perto. Mas é difícil imaginar que o Sr. Bandeira seja alheio à existência de tais fatos.

Imagens e sons que dizem tudo em 2009.

E, para fechar, um lindo acontecimento esquecido pela FlaPress e publicado onde? Em sua filial paulista, no blog mais lido do mundo escrito pelo mais ético e respeitável jornalista do mundo.

calote flamengo portuguesa

Como se pode ler, era tudo coincidência.

Falta só saber quem colocou a adaga no pescoço do Vasco para retornar àquele palco de loucuras em Joinville e reiniciar uma partida que sequer deveria ter começado, dada a completa ausência de segurança.

Antes que alguém dê bandeira.

o vice é certo

@pauloandel