Bananamite!!

Da publicação da minha última coluna para cá, fiquei estarrecido com duas notícias sobre o passado recente de nosso clube.

Primeiro li estupefato, numa entrevista concedida pelo atual presidente da FFERJ, que o nosso então mandatário, quando discutia sobre o lado do Maracanã que devíamos ficar no clássico contra o Fluminense, abriu mão da prerrogativa que conquistamos há quase 70 anos! Não quis levar adiante a discussão com um simples “deixa… deixa…”.

Poderia até desconfiar da veracidade do que foi revelado, afinal o atual presidente da FFERJ a mim não traz qualquer credibilidade, mas em se tratando do nosso ex-presidente… Fica claro aqui a carência que tínhamos de alguém que pelo menos, nem que fosse em forma de bravatas, nos defendesse de forma diretamente proporcional ao nosso gigantismo. Um BANANA!

E a outra notícia, publicada no site Netvasco hoje, revela uma levantamento estatístico dos títulos ganhos pelos clubes cariocas de 2010 para cá (esse é o link: http://www.netvasco.com.br/n/157322/vasco-foi-o-4-clube-do-rj-em-titulos-conquistados-em-2014-aponta-levantamento). Só para vocês terem ideia, conquistamos neste período, em todos os esportes que disputamos, 136 títulos. Menos que a metade da quantidade de títulos conquistados por dois de nossos maiores rivais – no mesmo período Flamengo obteve 332 títulos e o Fluminense, 306 conquistas.

Não tenho os números de outras épocas, mas aqui mais um exemplo que quão nociva foi a “era Banana” ao nosso clube.

Que o Dinamite volte apenas às lembranças de quando ainda jogava bola…

———————————————————–

E assim começamos 2015: perdendo. Num jogo-treino contra o “poderosíssimo” Volta Redonda (com todo respeito…), perdemos por 0 x 1. Ok. Os mais otimistas dirão: “O time titular não perdeu!” Verdade… Mas também não ganhou… Estaria eu sendo muito exigente…?

Eu nem sei se sou mais tão exigente assim… O Vasco dos últimos anos amorteceu essa minha exigência “absurda” de querer que, no mínimo, ganhemos um jogo-treino contra o Volta Redonda…

Pode-se dizer que foi um treino… Pode-se dizer que foi apenas o primeiro jogo… Pode-se dizer que a equipe está sendo refeita… Pode-se dizer que… Enfim: pode-se dizer qualquer coisa.

Mas eu duvido muito que nossa reação será de absoluta naturalidade se um resultado adverso vier no nosso próximo compromisso, que será contra o nosso maior rival (que aliás, hoje também não venceu… Mas também não perdeu…). Veremos.

———————————————————–

Reservo estas últimas linhas para prestar as minhas condolências ao nosso capitão Guiñazu pelo falecimento de seu pai. Que ele encontre a paz.